Artemísia Gentileschi – uma das grandes artistas do barroco e uma vida marcada pela coragem

Newsletter

Artemísia Gentileschi é indiscutivelmente uma das grandes representantes da pintura barroca embora tenha sido esquecida nos manuais de história da arte durante muito tempo. 

A partir de 1970, e associado aos movimentos feministas, Artemisia Gentileschi foi redescoberta.

A sua vida marcada pela coragem de denunciar o estupro de que foi vítima em 1611 (com 18 anos) e de confrontar a sociedade da época levou vários autores a desenvolverem estudos sobre Artemísia, a sua vida e a sua obra.

Neste artigo propomos-lhe conhecer esta grande artista da pintura do barroco que foi a primeira mulher aceite na Academia de Belas Artes de Florença.

Como verá, as suas obras de arte refletem a força e energia caraterísticas da pintura barroca e o enorme génio da artista.

Texto seguinte de Rute Ferreira.

Artemisia Gentileschi Autorretrato tocando violão, 1615 e 1617
Artemisia Gentileschi Autorretrato tocando violão, 1615 e 1617

Artemisia Gentileschi – o início da carreira de artista

Artemisia Gentileschi nasceu em Roma, em 1593. Seu pai era o pintor Orazio Gentileschi, importante artista da época, que trabalhava sobretudo temas religiosos e paisagens.

Por volta de 1580, Orazio se mudou para Roma, onde foi trabalhar ao lado do pintor Agostino Tassi, conhecido pintor de paisagens da região. Ambos começaram a trabalhar juntos com frequência, e se tornaram amigos.

Desde muito cedo, Artemísia começou a estudar arte com seu pai. Assim como ele, a pintora foi influenciada por Caravaggio, um dos mais importantes artistas do Barroco , “uma arte que combinava emoção, dinamismo e dramaticidade com cores intensas, realismo e tons fortemente contrastantes¹”.

Um dos trabalhos que Artemísia produziu ainda na adolescência, aos 17 anos, foi o quadro Suzana e os Anciãos, de 1610. Nele, a artista narra um momento da história que aparece no capítulo 13 do livro de Daniel, que aparece nas Bíblias católicas (para os protestantes, o texto é considerado apócrifo).

Artemisia Gentileschi Suzana e os anciãos 1610

Artemisia Gentileschi Suzana e os anciãos 1610

Na história, Suzana é uma bela mulher, casada com um homem muito rico chamado Joaquim, que desperta o interesse de dois juízes, que combinam sobre como farão para possuí-la.

Um dia, enquanto se prepara para tomar banho em seu jardim, eles se atiram sobre ela, dizendo: “Ardemos de amor por ti. Aceita e entrega-te a nós. Se recusares, iremos denunciar-te: diremos que havia um jovem contigo, e que foi por isso que fizeste sair tuas servas.²”

Suzana prefere morrer a se entregar a eles, e pede socorro. Isso, é claro, faz com que ela seja julgada. Na pintura de Artemísia, a abordagem sexual dos juízes é mostrada como um evento traumático.

Artemisia Gentileschi Autorretrato como mártir feminino 1615
Artemisia Gentileschi Autorretrato como mártir feminino 1615

Artemísia Gentileschi: o caso de estupro

Artemísia perdeu a mãe aos 12 anos de idade e viveu cercada de companhia masculina, seu pai e seus irmãos. Ela tinha uma amiga próxima chamada Tuzia, que vivia na parte de cima de sua casa, alugada por Orazio.

Em 1611, quando a artista tinha 18 anos de idade, seu pai ainda trabalhava com Agostino Tassi, na decoração dos cofres de um palácio. Orazio então o contratou para que ele desse aulas de pintura à Artemísia, de modo que ela aperfeiçoasse sua técnica.

E foi Agostino Tassi que, durante a ausência de Orazio, violentou Artemísia.

Foi só quase um ano mais tarde que o caso veio à público, com a queixa prestada pelo pai de Artemísia, que também acusou Tassi de ter lhe roubado um quadro.
Mãe e Criança, Artemísia Gentileschi, 1609-1611
Mãe e Criança, Artemísia Gentileschi, 1609-1611

Artemísia Gentileschi: Julgamento pra quem?

Apesar da queixa contra Tassi, Artemísia também teve de passar por um julgamento: é que se ela não fosse virgem antes do estupro, a família não teria o direito de prestar queixa.

No depoimento de Artemísia, ela contou que Tassi a encontrou trabalhando na produção de uma pintura e bruscamente lhe tomou os pincéis, dizendo a Tuzia, a amiga de Artemísia, que fosse embora.

Artemísia pediu que Tuzia não a deixasse, mas foi inútil, e ela ficou sozinha com Tassi, que a levou até o quarto e trancou a porta.

Artemisia Gentileschi Danae 1612
Artemisia Gentileschi Danae 1612

Saiba mais sobre o mito de Danae aqui.

Me jogou sobre a borda [beira] da cama dando-me com uma mão sobre o peito, me colocou um joelho entre as coxas [para] que eu não pudesse fechá-las e levantando-me as vestes, que fez grande esforço para levantá-las, me colocou um lenço à garganta e à boca para [que] assim [eu] não gritasse e a mão como antes me retinha
com a outra mão me deixou, tendo esse antes colocado todos os dois joelhos entre as minhas pernas e apontando-me o membro à natureza [vagina] começou a empurrar e o colocou dentro que eu sentia que me queimava forte e me fazia grande mal que pelo impedimento que me segurava à boca não podia [eu] gritar, também tentava gritar o melhor que podia chamando por Tuzia. E lhe arranhei o rosto e lhe arranquei os cabelos e antes que o metesse dentro ainda lhe dei uma doída [grande] apertada ao membro que lhe arranquei ainda um pedaço de carne, com tudo isto ele não considerou [avaliou] nada e continuou.

DEPOIMENTO DE ARTEMÍSIA GENTILESCHI³

 

O julgamento foi controverso e a opinião pública virou-se contra Artemísia e a favor de Tassi, inclusive Tuzia depondo contra ela. Mesmo assim, o pintor foi considerado culpado e em 27 de novembro de 1612, Tassi foi condenado: 5 anos de trabalhos forçados ou deixar Roma. Evidentemente o pintor escolheu o exílio.

Judite decapitando Holofernes 1620
Judite decapitando Holofernes 1620
Jael e Sísera 1620
Jael e Sísera 1620

Artemísia Gentileschi: casamento arranjado e pintora da corte

Para “recuperar a dignidade de Artemísia”, o pai dela arranjou seu casamento com um pintor chamado Pierantonio Stiattesi e o casal foi embora para Florença, onde ela se destacou como uma exímia pintora de retratos da corte.

Artemísia foi uma mulher bem relacionada, tendo o respeito da sociedade florentina. Seus contatos incluíam o grão -duque da Toscana, Carlos II de Médici, o cientista Galileu Galilei e a família de Michelangelo Buonarroti.

Artista de incontestável habilidade, ela foi a primeira mulher a ser aceita na Academia de Belas Artes de Florença, e em 1638, se juntou ao pai na corte do rei Carlos I, a convite do próprio rei, que admirava os trabalhos de Artemísia. Ela morreu em 1656.

Autorretrato como alegoria da pintura 1639
Autorretrato como alegoria da pintura 1639

Conheça os cursos e e-books da autora

Rute-Ferreira

Rute Ferreira

Sou professora de Arte, com formação em Teatro, História da Arte e Museologia. Também sou especialista em Educação à Distância e atuo na educação básica. Escrevo regularmente no blog do Citaliarestauro.com e na Dailyartmagazine.com.  Acredito firmemente que a história da arte é a verdadeira história da humanidade.

Créditos e referências

Imagens - Wikiart.org

Artigo publicado no blog da autora Casa das Musas

¹ Hodgie, Susie. Breve História da Arte. São Paulo: Gustavo Gili, 2018.

² Bíblia Católica Online

³ Extraído de Atti di un processo per stupro: o interrogatório de Artemisia Gentileschi no olhar do gênero, de Cristine Tedesco.

Cohen, E. S. (2000). The Trials of Artemisia Gentileschi: A Rape as History. The Sixteenth Century Journal31(1), 47–75. https://doi.org/10.2307/2671289

4 Comentários. Leave new

  • Gislaine
    12/01/2022 19:14

    Interessante trazer nomes de mulheres artistas, pois temos poucos nomes em destaques na História da Arte. Artemísia Gentileschi foi uma grande artista barroca.

    Responder
  • o poder do chá de sumiço emmanuel pdf
    05/02/2022 18:24

    I really liked your site. Thanks for the information. 328224213 1486987

    Responder
  • porque os homens mentem?
    10/04/2022 04:13

    I really enjoyed your article. Congrats on the content. 41157481

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu