Amrita Sher-Gil – quer conhecer uma das mais importantes pintoras indianas do sec. 20?

A pintora indiana Amrita Sher-Gil foi uma das mais importantes artistas de seu país no século XX. Observadora, tratou de representar especialmente tradições indianas em sua arte.

Só posso pintar a Índia. A Europa pertence a Picasso, Matisse, Braque… Índia pertence apenas a mim.

amrita sher gil

Amrita (Punjabi: امرِتا شیرگِل, ਅੰਮ੍ਰਿਤਾ ਸ਼ੇਰਗਿੱਲ) nasceu em 1913, em Budapeste, na Hungria, mas ainda na infância foi viver na Índia, de onde vinha seu pai. O pai de Amrita era um era um aristocrata sikh e sua mãe, judia húngara.

E foi ainda muito cedo que ela começou a ter aulas de arte: sua educação formal em pintura começou quando ela tinha apenas oito anos de idade.

Amrita Sher-Gil, Cigana Húngara, 1932

Amrita Sher-Gil, Cigana Húngara, 1932

Amrita Sher-Gil em Paris

Aos onze anos de idade, Amrita foi para a Itália, com a mãe, onde foi matriculada na Santa Annunziata, uma escola de arte de Florença.

Um pouco mais velha, aos dezasseis, ela foi também com a mãe para Paris, onde se encantou com as obras de Paul Cézanne e Paul Gauguin, que se tornaram grandes inspirações em sua obra, pelo menos na primeira fase.

Amrita Shan-Gil Autorretrato, sem data conhecida
Autorretrato, sem data
Autorretrato, 1931
Autorretrato, 1931
Autorretrato como taitiana, 1934
Autorretrato como taitiana, 1934

Em 1933, quando Amrita tinha vinte anos de idade, sua obra Moças chamou atenção dos círculos artísticos da época e ela foi convidada para expor no Grande Salão de Paris. Ela foi a pessoa mais jovem a receber um convite para expor no Salão.

Amrita Sher-Gil, Moças, 1932

Amrita Sher-Gil, Moças, 1932

Tal como acontecia com muitos artistas naquele período, Amrita foi bastante influenciada pelas técnicas que vinham sendo praticadas pelas vanguardas europeias.

Quer aprender mais sobre as vanguardas europeias?

Amrita Sher-Gil – as tradições indianas

No ano seguinte, entretanto, a pintora começou a sentir saudade de casa. É a partir daí que ela passa a redescobrir as tradições indianas em sua arte, revelando em sua pintura detalhes e fragmentos do cotidiano de seu país.

Por volta de 1937, depois de conhecer as Grutas de Ajanta, Amrita ficou bastante impressionada e decidiu retomar o estilo clássico da pintura indiana. Dessa época são três de seus trabalhos mais importantes.

Amrita Sher-Gil Aldeões do sul da Índia indo para o mercado, 1937
Amrita Sher-Gil Aldeões do sul da Índia indo para o mercado, 1937
Amrita Sher-Gil, Toilet da Noiva, 1937
Amrita Sher-Gil, Toilet da Noiva, 1937
Amrita Sher-Gil Brahmacharis-1937
Amrita Sher-Gil Brahmacharis-1937

Os trabalhos de Amrita, a partir de então, apresentam principalmente aqueles temas que eram ignorados pelos círculos artísticos tradicionais: com frequência ela representou aldeões e pessoas doentes, por exemplo, mas sem se concentrar em pobreza e miséria, como a arte ocidental geralmente o fazia. Seu interesse artístico em representar seu país, suas tradições e cotidiano, fez com que ela declarasse:

Só posso pintar a Índia. A Europa pertence a Picasso, Matisse, Braque… Índia pertence apenas a mim.

Amrita Sher-Gil Mulheres da Tribo, 1938

Mulheres da Tribo, 1938

A personalidade de Amrita Sher-Gil

Para sua época, Amrita era considerada uma mulher muito independente. Apesar de vir de uma família aristocrática, era simpatizante dos movimentos da Independência.

Contradições e ambiguidades marcaram a vida de Sher-Gil desde o início, sendo a primeira delas, e talvez a mais formativa para sua personalidade, a sua dupla origem europeia e asiática. Isso a colocava em um certo limbo, em um lugar intermediário em relação tanto ao seu vocabulário artístico quanto à sua personalidade

Notas sobre Amrita Sher-Gil e Tshibumba Kanda-Matulu, Maria do Carmo M. P. de Pontes

Ela se casou, em 1938, com seu primo, Victor Egan, e alguns anos mais tarde, eles se mudaram para Lahore, que hoje fica no Paquistão, mas à época pertencia à Índia, e era então o centro artístico e cultural do país.

Quer aprender mais sobre história da arte?

A morte o legado de Amrita Sher-Gil

Amrita morreu aos 28 anos de idade, em 1941. A causa de sua morte é desconhecida. Ela ficou muito doente, entrou em coma, e faleceu. Rumores na época, da própria família, acusaram o marido dela, que era médico, de tê-la matado, outras versões sugeriam peritonite, mas nada foi confirmado.

O governo da Índia declarou as obras de Amrita Sher-Gil tesouros nacionais, e ela recebeu diversas homenagens, além de ter influenciado uma geração inteira de artistas indianos.

Texto por Rute Ferreira, com publicação em A casa das Musas.

Cursos e e-books da autora

Rute-Ferreira

Rute Ferreira

Sou professora de Arte, com formação em Teatro, História da Arte e Museologia. Também sou especialista em Educação à Distância e atuo na educação básica. Escrevo regularmente no blog do Citaliarestauro.com e na Dailyartmagazine.com.  Acredito firmemente que a história da arte é a verdadeira história da humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu