A estética do Barroco no Brasil – o Aleijadinho

Neste artigo conheça um dos escultores que melhor representaria a estética barroca no Brasil, Antônio Francisco Lisboa, mais conhecido como O Aleijadinho .

Profetas do escultor Aleijadinho, principal representante da estética barroca no Brasil.

Profetas do escultor Aleijadinho, principal representante da estética barroca no Brasil.

História da arte no Brasil – da arte rupestre à época contemporânea

Cursos online

o Barroco no Brasil

Na época do “descobrimento” do Brasil, predominava na Europa a estética barroca, que se opunha à estética renascentista. Enquanto esta se baseava na razão e nos modelos da antiguidade clássica, aquela tinha seus fundamentos em uma profunda emoção e seu foco estava em temas religiosos.

Por ter como foco a temática religiosa, a maior parte das obras em estilo barroco, sobretudo no Brasil, consiste em imagens de santos, profetas e da Sagrada Família.

O nível de detalhes das obras era extremo; muitas das esculturas barrocas, por exemplo, eram ornamentadas com folhas de ouro e as coroas chegavam a ser de prata ou de ouro também. Percebe-se aí o quanto o fator econômico está intimamente ligada à produção artística, pois esse tipo de detalhes nas obras de arte só chegou a ser possível graças ao período abundante, em termos de riqueza, pelo qual o país passava, especialmente a região de Minas Gerais.

E foi nessa região, em Ouro Preto, que nasceu em 1730, um dos escultores que melhor representaria a estética barroca no Brasil, Antônio Francisco Lisboa, mais conhecido como Aleijadinho .

barroco brasil aleijadinho

O Aleijadinho

Pouco se sabe sobre sua vida pessoal, o que ajudou a construir um mito por trás do escultor. O Aleijadinho trabalhava sob encomendas, o que era comum na época, costume que vinha da Europa inclusive, assim como também o fato de que ele aprendeu o ofício de tradição familiar, ajudando o pai e o tio em sua juventude.

O primeiro projeto individual de Aleijadinho é executado em 1752, um desenho para um chafariz em Ouro Preto. A partir de então sua habilidade foi sendo cada vez mais reconhecida e seus trabalhos cada vez mais encomendados.

A despeito disso, o problema do preconceito consistiu um grande obstáculo em vida de Aleijadinho. Por ser mulato, e por ter nascido escravo (o Aleijadinho era filho de um arquiteto português e sua escrava africana), ele muitas vezes deixou de receber encomendas como mestre, sendo contratado como artesão diarista e com isso, sendo bem menos remunerado.

Cristo carregando a cruz, de o Aleijadinho

Cristo carregando a cruz, de Aleijadinho

Por volta de 1777,  o Aleijadinho começou a dar sinais de uma misteriosa doença que atrofiou seus membros e o fazia andar de joelhos, daí sua alcunha. O que poderia ser a gota d’água para o artista, já marginalizado por suas origens, serviu exatamente como o contrário. Quando perdeu os dedos das mãos, passou a amarrar instrumentos em seus braços parra continuar esculpindo em madeira e pedra-sabão. Falecido em 1814, pobre e cego, hoje é um dos artistas coloniais mais celebrados e reconhecidos no Brasil e fora dele, autor de um vasto e belíssimo conjunto de esculturas.

O Aleijadinho, porém, é uma exceção à regra. Comumente, os artistas barrocos não assinavam suas obras, e muitas esculturas são obras de artistas anônimos, artesãos religiosos, preocupados em demonstrar o esplendor de sua fé. Garcez e Oliveira (2011) dizem que:

“Não existia ainda a noção de ‘autoria’, muito valorizada hoje. Os artistas eram artífices ou artesãos que trabalhavam muito para ganhar a vida. Contavam com a ajuda de auxiliares, muitas vezes mulatos, que trabalhavam por qualquer dinheiro e ajudavam anonimamente a terminar obras que hoje tem um valor incalculável e fazem parte do patrimônio cultural da humanidade.”

Rute-Ferreira

Rute Ferreira

Sou professora de Arte, com formação em Teatro, História da Arte e Museologia. Também sou especialista em Educação à Distância e atuo na educação básica. Escrevo regularmente no blog do Citaliarestauro.com e na Dailyartmagazine.com.  Acredito firmemente que a história da arte é a verdadeira história da humanidade.

Conheça os cursos e e-books da autora

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu