Quem eram as três graças e como representam a beleza feminina na história da arte?

Ao longo da história da arte as três graças são recorrentemente representadas por grandes artistas. Da mitologia grega até à arte contemporânea estas três figuras personificam os ideais de beleza feminina correspondentes às diferentes épocas e artistas.

Neste artigo da Citaliarestauro vamos fazer uma viagem pela história da arte acompanhando estas três simpáticas personagens: as 3 graças.

andro Botticelli. Three Graces in Primavera, detail, c.1485-1487. Uffizi GalleryImagem de capa: Botticelli, as 3 graças, detalhe de “A Primavera”, Galeri dos Ufizzi.


 

Quem eram as três graças na mitologia grega?

A nossa história começa com a mitologia grega e três mulheres que sintetizaram o ideal de beleza feminina para vários artistas ao longo dos séculos: As Três Graças.

Todos sabem que Afrodite (para os romanos conhecida como Vénus) é a deusa do amor e da beleza. Além de ser adorada em templos do mundo antigo, a irresistível deusa também era representada por artistas de todos os tempos.

Mas também havia outras deusas do amor, conhecidas como Caritas ou Graças. Eram três jovens que, segundo o poeta Hesíodo, eram filhas de Zeus e Eurínome, uma ninfa do mar com quem o deus do Olimpo teve um breve caso de amor.

Conheça a genealogia dos deuses gregos aqui.

As três graças chamavam-se Aglaia, Euphrosyne e Thalya, e estavam sempre juntas. Além do amor e da beleza, as jovens também eram associadas à natureza, criatividade, fertilidade, charme, esplendor e alegria, ou seja, graças.

Em alguns mitos, aparecem no topo do Olimpo, cantando e dançando com as Musas e Apolo; noutros, estão sempre na companhia de Afrodite. Aliás, quando Afrodite nasceu – da espuma do mar – foram as Três Graças que a receberam e cuidaram dela.

Quando Afrodite quis seduzir Anquises, o único mortal com quem teve um filho, novamente as Três Graças a vestiram e perfumaram para o encontro. E mesmo quando a deusa foi apanhada enganando Hefesto com Ares, e vista por todos os deuses, mais uma vez as Graças estavam lá, para vesti-la e consolá-la.

as três graças the three graces

Nicolas Vleughels. Vénus e as três graças cuidando do Cupido. 1725. Coleção particular.

Embora nos mitos as três graças sempre tenham aparecido como auxiliares da deusa, na arte elas tornaram-se protagonistas de inúmeras obras, desde a antiguidade até os dias atuais. E com isso, serviram para representar não só os personagens mitológicos, mas também o ideal de beleza feminina de cada época e para cada artista.

As primeiras representações apareceram em mosaicos e esculturas em templos antigos.

as três graças mosaico romano | the three graces

As três graças – mosaico romano

As três graças no Renascimento

Foi especialmente durante a Renascença que as deusas, assim como outras figuras mitológicas, se tornaram um tema recorrente na pintura.

Rafael, The Three Graces, 1504-5, Condé Museum.

Rafael, As 3 graças, 1504-5, Condé Museum.

Representar as mulheres como personagens mitológicos era uma forma de representar o corpo feminino nu. Caso contrário, seria muito chocante.

Na pintura de Rafael, claramente baseada em esculturas antigas, destaca-se a palidez e o olhar indiferente das personagens. Embora os seus corpos sejam maduros, os órgãos sexuais são subtilmente exibidos e os seios não são expostos.

Lucas Cranach “The Elder”, The Three Graces, 1531. Louvre Museum.

Lucas Cranach “The Elder”, The Three Graces, 1531. Louvre Museum.

Lucas Cranach, assim como Rafael, retratou as Três Graças completamente nuas, mas na obra não possuem atributos simbólicos, como a maçã ou as flores. Em vez disso, eles têm adereços (um chapéu e colares). Apenas uma das jovens confia na irmã, ao contrário de outras pinturas em que estão sempre de mãos dadas.

As Graças de Raphael e Cranach têm algo em comum: os seus corpos lembram corpos de adolescentes. O ideal de beleza parece residir justamente na juventude das modelos.

As três graças de Peter Paul Rubens e Alessandro Varotari

Peter Paul Rubens, The Three Graces, 1630-5, Museo del Prado.

Peter Paul Rubens, The Three Graces, 1630-5, Museo del Prado.

Um pouco diferente da representação de Rafael é a do pintor Rubens, que optou por Graças mais maduras, com corpos menos firmes e formas mais opulentas. Além disso, observe como os seus olhares se cruzam, talvez sugerindo um pouco mais de intimidade.

A composição, porém, é praticamente a mesma. Duas das graças são vistas frontalmente, enquanto a outra é representada por trás.

Alessandro Varotari (Il Padovanino), The Three Graces, c.1620-1640. Private Collection.

Alessandro Varotari (Il Padovanino), As 3 graças, c.1620-1640. Coleção privada.

Alessandro Varotari (Il Padovanino) altera essa composição, colocando duas das jovens de frente, enquanto a terceira vira as costas para o observador.

Embora nuas, usam véus, elemento que se repete em outras pinturas das Três Graças.

No sec. XIX

Cerca de dois séculos depois, quando os temas mitológicos começaram a ser revisitados, as pinturas das três graças continuaram a ser criadas. A iconografia, no entanto, mudou. Não mostra corpos realistas ou anatomicamente perfeitos, como na pintura de Rafael, nem a atmosfera era idílica ou romântica, como na de Varotari.

Koloman Moser, por exemplo, apontou nas suas Três Graças apenas o lado do corpo de cada um, as peles de tom ocre e as veias vermelhas. A composição, que é simbolista, não apresenta um jardim ou campo como antes.

Koloman Moser, The Three Graces, date unknown, Private Collection. As três graças

Koloman Moser, data desconhecida, Coleção privada.

Na pintura de Moser não foi apenas a estrutura da composição que mudou mas também a técnica e, acima de tudo, o ideal de beleza feminina.

E por falar em mudanças na representação, Sir Lawrence Tadema cria a sua versão da pintura das Três Graças utilizando um complexo conjunto de símbolos.

Além de representar as três figuras no centro, ele mostrou as outras graças nos cantos da obra (no canto superior esquerdo, por exemplo, Lei, Ordem e Autoridade). Como nas pinturas anteriores, as mulheres são muito próximas, mas Tadema só retrata os seus rostos.

As três graças de Robert Delaunay

No início do século 20, quando os movimentos de vanguarda europeus estavam no auge, o pintor Robert Delaunay colocou As Três Graças na Villa de Paris.

Embora Delaunay fragmente os personagens, ainda é possível ver claramente que ele segue a mesma estrutura composicional de Raphael.

Robert Delaunay, La Ville de Paris, 1912. Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris


As Três Graças são uma bela inspiração sobre o que é ser mulher.

Embora os personagens sejam os mesmos, as representações ao longo do tempo mudaram muito. Às vezes magras e com corpos de criança, às vezes mais maduras, nuas ou vestidas, cabelos longos ou curtos …

Essas pinturas provam que a ideia de beleza é dinâmica e muda o tempo todo.

E é aí que reside o paradoxo: o ideal de beleza feminina não é UM ideal. Cada mulher tem uma particularidade que a torna mais bonita. E essa é a verdadeira graça de ser mulher.

Rute-Ferreira

Rute Ferreira

Sou professora de Arte, com formação em Teatro, História da Arte e Museologia. Também sou especialista em Educação à Distância e atuo na educação básica. Escrevo regularmente no blog do Citaliarestauro.com e na Dailyartmagazine.com.  Acredito firmemente que a história da arte é a verdadeira história da humanidade.

Alguns artigos sobre a mulher na arte

1 Comentário. Leave new

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu