Analisando Arte | Henri Rousseau | A cigana adormecida

Henri Rousseau foi um autodidacta cuja carreira de pintor começou a tempo inteiro apenas após reformar-se. É denominado por alguns como Primitivista, por outros como Naïf pelo facto de não ter tido formação académica na vertente artística. É um dos artistas que integra o movimento pós impressionista.

A partir da análise efetuada por Yolanda Silva no curso Pós Impressionismo e do vídeo realizado por Mónica Duarte vamos olhar para uma das obras mais enigmáticas de Henri Rousseau .

 

 

A cigana adormecida

 

Henri Rousseau tinha um talento natural para o desenho e a sua imaginação levava-o para imagens exóticas e misteriosas. Esta procura de motivos exóticos pode ser interpretada como uma fuga ao quotidiano.

 

Rousseau remete-nos a ambientes de inquietude similares aos experienciados em estados subconscientes – o que leva a pensar na psicanálise de Freud, seu contemporâneo, e na influência do pintor no desenvolvimento do Surrealismo. Por outro lado, a geometria e disposição linear das formas (por exemplo, no jarro e no ângulo recto do braço) antecipa aspectos do Cubismo.

 

Há uma inscrição que serve de subtítulo a esta obra, ilustrando a cena:

«O animal selvagem, apesar de faminto, hesita em atirar-se à sua vítima que, extenuada, caiu num sono profundo.»

 

Henri Rousseau apresenta-nos um quadro carregado de simbolismo e misticismo, em que o observador não consegue ficar indiferente.

«A Cigana Adormecida» é toda ela um enigma poético, propositadamente construído por Rousseau.

 

«O mistério acredita em si próprio e está aí, nu, sem invólucros […]. E, provavelmente, há uma razão para o facto de o pintor, que nunca esquece um pormenor, tenha evitado cuidadosamente qualquer rasto de areia perto dos pés adormecidos. A cigana não passou por onde está a dormir. Ela está lá. Ela não está lá. Não preenche um lugar humano. Vive em espelhos…» (Jean Cocteau, 1926, referindo-se a «A Cigana Adormecida»)

 

Rousseau concilia uma representação ainda ingénua das formas, com um tema complexo e profundo, evocativo de emoções e de sonhos. Talvez por isso esta obra de peinture-poèsie supera o Simbolismo produzido à época e tanto fascinará os Surrealistas (como Breton e o próprio Cocteau), podendo mesmo ser considerada uma precursora do movimento da pintura metafísica de De Chirico.

Conheça o movimento que abriu caminho às vanguardas artísticas contemporâneas. Analise a obra de SeuratVan GoghGauguinCézanneRousseau, entre outros.

No curso online Pós Impressionismo

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter

E receba informação atualizada sobre temas de história da arte e valorização do património.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu