Templo de Amon em Karnak | centro religioso do império

Newsletter

Três kilometros a norte de Luxor, o complexo de Karnak – onde se situa o Templo de Amon  -, na margem leste do rio Nilo, era o maior do reino ocupando uma área de 100 hectares de terra com 80 000 pessoas a seu serviço na era de Ramsés III.

Por Diana Ferreira |  Curso Online Guia de Tesouros Arquitetónicos – do antigo Egito a Bizâncio.

Imagem de capa: Avenida de acesso ladeada de esfinges com corpo de leão e cabeça de carneiro, o animal sagrado de Amon.

Templo de amon

1 Parte das ruínas do templo de Amon e do Lago SagradowebParte das ruínas do templo de Amon e do Lago Sagrado.

 

 

 

 

 

 

 

Quando, no Império Novo, a antiga Tebas foi capital do reino egípcio durante 1500 anos, o centro religioso mais importante localizava-se em Karnak.

Três kilometros a norte de Luxor, o seu complexo, na margem leste do rio Nilo, era o maior do reino ocupando uma área de 100 hectares de terra com 80 000 pessoas a seu serviço na era de Ramsés III.

Pouco nos resta para ver da antiga cidade de Tebas, mas os templos de Luxor e de Karnak são uma exceção. Este último em análise, é o mais famoso e visitado a seguir às pirâmides de Gizé.

Um museu a céu aberto que maravilha visitantes de todo o mundo, com a sua arquitetura colossal, os seus pilones, pátios, salas, estátuas, obeliscos e baixos-relevos.

Sala Hipóstila do Templo de Amon, outrora com 134 colunas papiriformes.Sala Hipóstila do Templo de Amon, outrora com 134 colunas papiriformes.

Centro religioso do impérioTESOUROS ARQUITETÓNICOS

O complexo de Karnak foi durante muito tempo o principal centro religioso do Egito, porém quando o faraó Akhenaton tomou o poder e abandonou o culto a Amon, substituindo-o pelo deus-sol Aton, construiu-se uma nova capital e novos templos, esquecendo o anterior até à morte do monarca.

Foi então que a veneração a Aton foi passando e Karnak voltou a ser o centro religioso do império.

Contudo, o grave estado das fundações acabou por colapsar a 3 de outubro de 1899, transformando o amplo e famoso recinto em ruínas de pedra com colunas tombadas, arquitraves derrubadas, estátuas destruídas e jardins desaparecidos.

Foram necessárias várias décadas até iniciarem os trabalhos de reconstrução de um espaço importantíssimo para o país, contributo de vários monarcas que foram ampliando o santuário, e que ainda hoje constitui uma atração quase mágica para os visitantes que ficam fascinados pela civilização egípcia.

Pode estar interessado nos artigos:

Iconografia dos deuses egípcios

Piramides do Egito | A Arquitetura dos Faraós

Esfinge de Gizé | a guardiã da cidade dos mortos


No curso online Guia de Tesouros Arquitetónicos I conheça:
0.  Panorama arquitetónico
1.  A Grande Pirâmide de Gizé
  • A arquitetura dos faraós
  • A importância do rio Nilo
  • A evolução da construção funerária
  • Os artesãos
  • A Grande Pirâmide de Gizé – Gizé
  • Localização
  • Função
  • Mistérios
  • Mão-de-obra
  • Interior
  • Esfinge
2.  O Templo de Amon
  • Os templos egípcios
  • Planta
  • Decoração
  • O Templo de Amon – Karnak
  • História
  • Planta
  • Centro religioso do império
3.  O Partenon
  • A arquitetura grega
  • Os deuses
  • O Partenon – Atenas
  • História
  • Planta
  • Êntase
  • Decoração
  • Funções
4.  O Coliseu
  • A arquitetura do grande império romano
  • Influências
  • Objetivo
  • O Coliseu – Roma
  • História
  • Planta
  • Função
  • Organização
  • Jaulas
5.  A Basílica de Santa Sofia
  • A arquitetura bizantina
  • Divisão do império romano
  • Cristianismo
  • Mosaicos dourados
  • A Basílica de Santa Sofia – Istambul
  • História
  • Interior

Conheça os cursos e e-books sobre turismo cultural e monumentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu