Apesar de o termo iluminura ser geralmente empregue para designar todo o conjunto pictórico de caráter decorativo ou ilustrativo que acompanhava os textos dos códices e dos livros manuscritos do período medieval, a sua aplicação tem vindo a ser gradualmente alargada, cronológica e geograficamente, de forma a englobar manifestações artísticas muito mais variadas. Temos como exemplo as iluminuras originárias do Egito e do mundo muçulmano e hindu.

Em Portugal, o mais  importante manuscrito iluminado que chegou até aos nossos dias é o Apocalipse do Lorvão.

Datado de 1189, terá sido realizado no Mosteiro do Lorvão, perto de Coimbra.

Encontra-se atualmente no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa, e foi considerado Memória do Mundo pela UNESCO.