O que é o Livro dos Mortos do Antigo Egito?

Newsletter

As crenças religiosas dos egípcios estão relatadas nas paredes dos túmulos e templos e em rolos de papiro compilados sob a forma do Livro dos Mortos .

Os textos que integram o que hoje se denomina por Livro dos Mortos não foram escritos por um único autor nem são todos da mesma época histórica. Trata-se da compilação dos textos que se encontraram nos papiros colocados nos túmulos junto das múmias.

Partilhamos neste artigo ligação para a tradução em inglês destes textos, de 1895, autoria de Wallis Budge.

Texto introdutório por Yolanda Silva, autora do curso Antigo Egíto – Mitos e Iconografia.

A religião egípcia

A religião exercia muita influência no quotidiano da Antiguidade Egípcia, como é visível pelas pirâmides e templos.

As crenças religiosas dos egípcios estão relatadas nas paredes dos túmulos e templos e em rolos de papiro compilados sob a forma do Livro dos Mortos.

Acreditavam em diversos deuses e até veneravam forças da natureza, como o próprio rio Nilo.

A religião estava mesmo presente na própria estrutura de poder desta civilização antiga.

Além da existência dos deuses extra-terrenos, havia ainda o Faraó, que comportava em si todos os poderes, assumindo a função de sacerdote e personificação de deus na terra.

A importância e estatuto dos deuses evoluiu muito com o tempo.

Podemos ver, por exemplo, que Narmer e os seus sucessores veneravam Hórus e Rá, sendo que seriam «filhos de Rá», que, uma vez deixando o plano terreno, acompanhá-lo-iam na sua viagem quotidiana.

Com Mentuhotep, por sua vez, os Egípcios passaram a acreditar que o Faraó se juntava a Osíris, o deus dos Mortos, figura que se tornava cada vez mais relevante no Panteão Egípcio.

O Julgamento da Alma

Assim, o egípcio da Antiguidade – rico ou pobre – passou a acreditar no Julgamento da Alma: o momento em que, quando morria, era transportado numa barca pelo Nilo até ao reino de Osíris, algures na margem Oeste, onde o Sol se punha a cada dia.

Aí, o morto era recebido por Anúbis numa grande sala de julgamento, onde seria colocado perante 42 juízes – cada um correspondendo a um pecado, tendo de os convencer um a um de não ter cometido nenhum pecado.

Depois, o morto seria levado perante o tribunal de Osíris.

Aí, perante Ísis, Osíris e Hórus, o seu coração era pesado, usando uma pena de avestruz como contrapeso (simbolizava a deusa da Verdade, Maat).

A balança penderia de acordo com a verdade ou culpa contida no coração do morto.

Se este não tivesse vivido uma vida correcta e virtuosa, deveria sofrer um destino terrível: ser devorado por Amut, a Devoradora.

Figura abaixo: Momento do julgamento perante Osíris. 

Este fragmento faz parte do Papiro de Hunefer, uma das mais conhecidas versões do Livro dos Mortos. Herda o seu nome do escriba que o redigiu, Hunefer, escriba real de Seti I (XIX dinastia: entre 1310 e 1275 a.C.; British Museum, Londres, Inglaterra).

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:The_judgement_of_the_dead_in_the_presence_of_Osiris.jpg

Livro dos mortos


Pode aceder à tradução do Livro dos Mortos ( em inglês) nesta ligação.

Quer saber mais sobre as civilizações da Antiguidade?

No curso online Antigo Egito – Mitos e Iconografia fique a conhecer
A importância da religião no âmbito da cultura egípcia.
Identificar os locais de culto mais importantes.
Identificar divindades mais conhecidas, assim como as suas representações e atributos.
Saber reconhecer a importância do Faraó no contexto religioso egípcio, assim, como os seus atributos.
Reconhecer os elementos mais relevantes da iconografia da mitologia egípcia.

O que os alunos dizem sobre o curso mitologia e iconografia da civilização egípcia

Mitologia egipcia O que dizem do curso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu