O que é o Livro dos Mortos do Antigo Egito?

As crenças religiosas dos egípcios estão relatadas nas paredes dos túmulos e templos e em rolos de papiro compilados sob a forma do Livro dos Mortos .

Os textos que integram o que hoje se denomina por Livro dos Mortos não foram escritos por um único autor nem são todos da mesma época histórica. Trata-se da compilação dos textos que se encontraram nos papiros colocados nos túmulos junto das múmias.

Partilhamos neste artigo ligação para a tradução em inglês destes textos, de 1895, autoria de Wallis Budge.

Texto introdutório por Yolanda Silva, autora do curso Antigo Egíto – Mitos e Iconografia.

A religião egípcia

A religião exercia muita influência no quotidiano da Antiguidade Egípcia, como é visível pelas pirâmides e templos. As crenças religiosas dos egípcios estão relatadas nas paredes dos túmulos e templos e em rolos de papiro compilados sob a forma do Livro dos Mortos. Acreditavam em diversos deuses e até veneravam forças da natureza, como o próprio rio Nilo.

A religião estava mesmo presente na própria estrutura de poder desta civilização antiga. Além da existência dos deuses extra-terrenos, havia ainda o Faraó, que comportava em si todos os poderes, assumindo a função de sacerdote e personificação de deus na terra.

A importância e estatuto dos deuses evoluiu muito com o tempo. Podemos ver, por exemplo, que Narmer e os seus sucessores veneravam Hórus e Rá, sendo que seriam «filhos de Rá», que, uma vez deixando o plano terreno, acompanhá-lo-iam na sua viagem quotidiana. Com Mentuhotep, por sua vez, os Egípcios passaram a acreditar que o Faraó se juntava a Osíris, o deus dos Mortos, figura que se tornava cada vez mais relevante no Panteão Egípcio.

O Julgamento da Alma

Assim, o egípcio da Antiguidade – rico ou pobre – passou a acreditar no Julgamento da Alma: o momento em que, quando morria, era transportado numa barca pelo Nilo até ao reino de Osíris, algures na margem Oeste, onde o Sol se punha a cada dia.

Aí, o morto era recebido por Anúbis numa grande sala de julgamento, onde seria colocado perante 42 juízes – cada um correspondendo a um pecado, tendo de os convencer um a um de não ter cometido nenhum pecado. Depois, o morto seria levado perante o tribunal de Osíris.

Aí, perante Ísis, Osíris e Hórus, o seu coração era pesado, usando uma pena de avestruz como contrapeso (simbolizava a deusa da Verdade, Maat). A balança penderia de acordo com a verdade ou culpa contida no coração do morto. Se este não tivesse vivido uma vida correcta e virtuosa, deveria sofrer um destino terrível: ser devorado por Amut, a Devoradora.

Na figura abaixo: Momento do julgamento perante Osíris. Este fragmento faz parte do Papiro de Hunefer, uma das mais conhecidas versões do Livro dos Mortos. Herda o seu nome do escriba que o redigiu, Hunefer, escriba real de Seti I (XIX dinastia: entre 1310 e 1275 a.C.; British Museum, Londres, Inglaterra).

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:The_judgement_of_the_dead_in_the_presence_of_Osiris.jpg

Livro dos mortos


Pode aceder à tradução do Livro dos Mortos ( em inglês) nesta ligação.


No curso online Antigo Egito – Mitos e Iconografia fique a conhecer

a importância da religião no âmbito da cultura egípcia. Identificar os locais de culto mais importantes , identificar divindades mais conhecidas, assim como as suas representações e atributos. Saber reconhecer a importância do Faraó no contexto religioso egípcio, assim, como os seus atributos e reconhecer os elementos mais relevantes da iconografia da mitologia egípcia.

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Cta_Widget”][/siteorigin_widget]
[siteorigin_widget class=”Thim_Courses_Widget”][/siteorigin_widget]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu