Juan Gris – o mestre das imagens disfarçadas. 1 exemplo prático de análise de uma pintura

Newsletter

Neste artigo veremos o que é a análise de obras de arte com um exemplo de uma obra de Juan Gris, conhecido como o “mestre das imagens disfarçadas”.

Por Yolanda Silva, autora de diversos cursos online de Análise de Arte.

A análise de obras de arte significa compreender os aspetos formais de uma obra de arte e o seu contexto histórico.

Mas significa também compreender a intenção do artista e as formas mais ou menos óbvias em que essa intenção é expressa.

Poder-se-ia dizer que a análise na arte implica 3 passos:

  • análise formal
  • análise de conteúdo
  • análise da intenção

A seguir, vamos ver como isto se aplica à pintura de Juan Gris Natureza-morta com toalha axadrezada.

Análise de obras de arte com os cursos online
Juan Gris

Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Still_Life_with_Checked_Tablecloth_MET_DP332907_ms.jpg

Juan Gris – Analisando os aspetos formais…

Pintor: Juan Gris (1887-1927)

Juan Gris

Título original da obra: Bodegón con mantel a cuadros (Natureza-morta com toalha axadrezada)

Local de produção: Paris, França

Data de produção: 1915

Localização actual: Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque (EUA)Análise de arte

Dimensões: 116.5 x 89.2 cm

Material: óleo e grafite sobre tela

Condição: [sem informação; presume-se boa]

Temática: Natureza-morta

Estrutura: Sem dados sobre moldura.

O pintor desconstrói os objetos numa «explosão» radial de formas geométricas cuidadosamente coordenadas para criar a impressão de simultaneidade de perspetivas.

Utiliza ainda uma imitação da técnica papier-collée (jornal dobrado sobre a mesa e pormenor junto à garrafa, onde se lê «EAU»).

Composição: A composição é determinada em redor da mesa.

São criados vários eixos estáticos radiando no sentido dos cantos superiores, com linhas mais fortemente angulosas (ângulos agudos) e sombras bem marcadas.

Ao centro distingue-se uma fruteira, uvas, garrafas, copos e chávenas.Compreender a arte cubista

Sobre o tampo da mesa, está também colocado um jornal.

O padrão da toalha de mesa espalha-se um pouco por toda a composição, num jogo de simultaneidade de planos típico do Cubismo.

Do mesmo modo, a própria chávena está desdobrada em duas vistas simétricas.

O pintor optou por desenhar linhas curvas brancas (igualmente simétricas), no lado esquerdo da tela para fazer representar uma guitarra.

Toda a composição é um jogo de reflexos e linhas cuja continuidade não é quebrada.

As cores são suaves, mas usadas sem timidez, predominando o xadrez verde e branco (e respetivas nuances), mas também vermelho, amarelo e azul.

Em plano de fundo, temos uma parede lisa pelo lado direito, simulação de tábuas de madeira do chão, que estão ainda presentes pelo lado esquerdo da tela, como se projetando o mesmo na parede, fundindo-se com pormenores de um outro padrão e do xadrez da toalha de mesa.

Note-se que nos cantos inferiores a madeira tem um castanho natural, enquanto na zona lateral esquerda e superior tem a mesma cor verde-azulada da parede do lado oposto.

Juan Gris – Sobre o conteúdo…

Pela marcação da data feita pelo próprio Gris no verso da tela, esta pintura é enquadrada no período final do Cubismo – o Cubismo Sintético.

Também analisando a composição facilmente se chega a essa conclusão:

  • Temática puramente decorativa e de estudo (em atelier): natureza-morta.
  • Representação racional, geométrica e plana das formas com quebra de contornos.
  • Perspectivas múltiplas e desdobramento de planos.
  • Uso do papier collé (collage).

Gris ficou marcado entre os demais cubistas por preferir imagens mais claras e ordenadas, sendo visto como um purista.

Neste quadro, apresenta-nos um tema clássico da pintura cubista – a natureza-morta.

Dispõe sobre uma mesa chávenas, taças de vinho, uma fruteira de pé alto (com uvas verdes), uma garrafa de vinho tinto, uma garrafa de stout da marca Bass (distingue-se pelo logotipo do diamante vermelho), um jornal e uma guitarra.

À primeira vista, aparece-nos como um estudo de imagem típico do Cubismo: a simultaneidade de planos e o jogo de perspetiva.

No entanto, há um aspeto muitas vezes ignorado nesta pintura que é a formulação de uma outra imagem latente através dos diversos elementos desdobrados que encontramos na tela.

Gris é apelidado por alguns críticos como o mestre das imagens disfarçadas.

De facto, acredita-se que, nesta pintura, além dos objetos já enumerados, adivinha-se a cabeça de um bovino.

Juan Gris – Vamos olhar de novo!

Juan Gris

Analisando os objetos, a sua posição e as linhas de perspetiva escolhidas pelo pintor, podemos distinguir o animal:

  • A simetria da chávena no canto da mesa simula o focinho de um touro.
  • Os círculos concêntricos a preto e branco à esquerda representam um olho.
  • A garrafa de stout parece uma orelha.
  • A linha recurvada da guitarra assemelha-se ao contorno de um chifre.

Outro pormenor apontado em algumas análises diz respeito às letras «EAU» no rótulo da garrafa: parecem deliberadamente remeter para «bEAUjolais» (tipo de vinho produzido em França), mas podem igualmente ser uma parte da palavra francesa para touro: «taurEAU».

Conheça os e-books e cursos online com certificado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu