o processo de bromólio e a fotografia artistica

Neste artigo vamos abordar uma das técnicas que impulsionou a fotografia artistica ganhando rapidamente popularidade. O processo de bromólio.

fotografia artística bromólio

Desde a primeira fotografia por Joseph Nicéphore Niépce pelos anos de 1820, os processos fotográficos sucederam-se. Procurava-se uma maior fidelidade das imagens e uma maior facilidade na produção fotográfica. Mas igualmente a elevação da fotografia a arte. A fotografia artistica e o seu desenvolvimento estiveram intimamente ligadas à evolução dos processos fotográficos. Um dos mais importantes deste processos foi o bromólio.


Por Yolanda Silva, autora do curso online História da Fotografia.

Imagem de capa – Oil print by Robert Demachy – A Crowd, 1910, Met Museum.


O processo do bromóleo

Em 1904, G.E.H. Rawlins publicou um artigo sobre um processo fotográfico baseado em pigmentos a óleo. Um dos seus principais inconvenientes era a utilização de negativos com as mesmas dimensões que a impressão final, porque a impregnação a óleo era demasiado lenta para o uso de um ampliador.

Em 1907, E. J. Wall propôs uma alternativa à impressão fotográfica a óleo. O processo, que consiste, essencialmente, em branquear uma impressão fotográfica com brometo de prata e impregná-la com pigmentos a óleo, tinha a grande vantagem de não precisar de um negativo de grande formato.

Pouco depois, Welbourne Piper pôs em prática a teoria estudada pelos seus antecessores e daí nasceu o processo do bromóleo.

A fotografia artística e o bromólio

 

fotografia artistica bromolio Josef Jindřich Šechtl

fotografia artistica bromolio Josef Jindřich Šechtl

 

O processo tornou-se extremamente popular entre fotógrafos amadores e artistas, ultrapassando largamente a popularidade do processo a óleo.

O Pictorialismo que surgira na segunda metade do século XIX favoreceu o bromóleo, pelos seus efeitos. Apologistas da elevação da fotografia a arte, favoreciam a manipulação da fotografia através de processos de pigmentação e o bromóleo permitia estes efeitos artísticos que estes artistas procuravam.

Uma fotografia a óleo ou a bromóleo não tem muito pormenor e apresenta grão ou textura, podendo até ser um pouco grosseira.

Conquanto que o resultado final se assimile bastante a uma pintura em pastel, esta tem o detalhe e a nitidez de uma fotografia.


Pode estar interessado em conhecer a grande pioneira da fotografia artística Julia Margaret Cameron.


O papel fotográfico

Várias companhias, como a Kodak, a Sinclair, a Autotype e a Drem, comercializaram papel, tintas e prensas de transferência para a impressão a bromóleo.

Pode ler sobre a evolução do papel fotográfico e a sua importância para a fotografia artistica e seus avanços.

Depois da Segunda Guerra Mundial, pelos anos 1950, estes materiais tornaram-se cada vez mais difíceis de encontrar, até desaparecerem completamente do mercado. O processo deixou, assim, de ser praticado.

Yolanda Silva

Yolanda Silva

Tem formação em História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade do Porto). O seu percurso levou-a a trabalhar no Arquivo Histórico Municipal do Porto e no Museu do ISEP, no âmbito do inventário e conservação de coleções de Fotografia. Andou pelo mundo dos antiquários e pelo turismo, até que se tornou formadora, dedicando-se às áreas de História da Arte, Iconografia e Conservação de Fotografia. Trabalha atualmente no Departamento de Cultura da Câmara Municipal do Porto, no âmbito do Património. Tem diversos trabalhos escritos / publicados nas áreas da História da Arte, Iconografia e Conservação.

Conheça os cursos da área de fotografia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu