A evolução da fotografia | o papel de impressão fotográfica

Um dos aspetos mais importantes na evolução da fotografia foram as Provas em Papel de impressão de revelação.

Neste artigo vamos conhecer o papel de impressão fotográfica para revelação a preto e branco, as suas variedades e a sua importância na evolução da fotografia.

Não perca ainda o vídeo sobre viragem do papel revelação, uma técnica utilizada nas fotos a preto e branco.

Texto: Yolanda Silva, do curso online História da Fotografia.

A evolução da fotografia | Provas em Papel de impressão de revelação

papel de impressão fotográfica para revelação a preto e branco tem entrada no mercado pelos anos de 1880, crescendo em consumo até final de oitocentos. é um dos grandes passos na evolução da fotografia e é o papel mais vendido a partir de 1905 e até 1970, quando é suplantado pelo processo a cores cromogéneo.

Este incremento deve-se ao próprio desenvolvimento do negativo de pequeno formato. Por outro lado, o papel de revelação permitia a revelação com luz artificial e a ampliação das imagens. Estas eram reproduzidas por acção química do revelador, o que aumentava muito mais a sua fotossensibilidade.

O fotógrafo não requeria mais que uma exposição de segundos sob uma luz artificial e um pequeno ampliador caseiro possibilitava a ampliação do negativo. Qualquer fotógrafo profissional ou amador poderia fazê-lo.

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Cta_Widget”][/siteorigin_widget]

Tipos de papel revelação

papel de revelação usado era o papel de barita, fabricado industrialmente e produzido em diferentes gramagens, superfícies e cores (poderia ser mais fino ou cartonado; mate, brilhante, perlado,…; apresentado em branco, creme, amarelo, ou outra cor).

Era produzido com emulsão de cloreto de prata, brometo de prata e cloro-brometo de prata, cada uma tendo características um pouco diferentes entre si. Resumindo, podemos apontá-las da seguinte forma:

Emulsão de gelatina e cloreto de prata:

– Não era suficiente rápida para permitir a ampliação, sendo usada para imprimir provas de contacto à luz do gás (o papel era vulgarmente designado de papel para luz do gás por esta razão);

– Imagem resultava negra, mas um tanto azulada;

– Emulsão foi comercializada até 1960 (um dos nomes mais difundidos foi a marca Velox);

             ♦Emulsão de gelatina e brometo de prata:

– Das três emulsões esta é a mais fotossensível, podendo ser facilmente usada para ampliações com luz artificial;

– Papel preto e branco mais consumido no século XX;

– Tem tons frios, com um desvio para o azul;

– São exemplos comerciais contemporâneos: Agfa BroviraIlfobrom e Kodak Elite;

            ♦Emulsão de gelatina e cloro-brometo de prata:

– Comercializada desde 1883 e ainda em produção pelos 1990s;

– Resulta numa imagem de cor neutra, de tons mais quentes que aqueles do papel de brometo (a cor pode ser controlada dependendo do revelador usado);

– Alguns exemplos comerciais: Agfa Protriga Rapid e Record RapidFortePorturex Rapid.

Uma vez introduzida a fotografia a cor (1960-70), a fotografia a preto e branco começa a decair e alguns dos papéis anteriormente comercializados saem do mercado, pela falta de procura. A evolução da fotografia toma agora o rumo da fotografia colorida.

No video seguinte veja em que consistia a a viragem do papel revelação. Este processo permitia criar efeitos “coloridos” em fotos a preto e branco.


Conheça a evolução da fotografia no curso História da Fotografia

Lição 1 : Introdução – O que é uma fotografia e o que a compõe,qual o contexto em que surgem as primeiras fotografias.

 a.      O Homem como produtor de imagens

 b.      A Fotografia: o que é e o que a compõe 

Lição 2 : 1839 – 1855 – Os primeiros grandes avanços dos processos fotográficos

 a.      O Daguerreótipo

 b.      O Calótipo

Lição 3 : 1855 – 1880 – As exigências do processo fotográfico determinam que o material de suporte mais adequado para o negativo deverá ser estável, transparente, ter uma superfície plana e polida e, simultaneamente, ser económico. Assim, era necessário a utilização de um meio ligante. 

 a.      A Albumina

 b.      O Colódio Húmido

 c.       A utilização de negativos de colódio para provas de albumina

Lição 4 : 1880 – 1910 – Os avanços da produção industrial

 a.      A Produção Industrial

           i.            A utilização da gelatina

           ii.            Provas de papel directo

Lição 5 : 1910 – 1970 – Após os avanços tecnológicos das décadas anteriores, era necessário criar um meio de suporte mais fácil e acessível ao transporte. Simplificaram-se os processos e agora simplificava-se o suporte.

 a.      Negativos em película

 b.      Provas em Papel de impressão de revelação

 c.       Fotografia alternativa

Lição 6 : 1970 aos nossos dias – O objectivo final assumido agora pelos fotógrafos era a fotografia a cores. 

 a.      O Autochrome

 b.      A Prova Cromogénea

 c.       Provas não cromogéneas

 d.      A Fotografia Digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu