10 aspetos a ter em conta na montagem duma exposição

Neste artigo sintetizam-se os 10 aspetos fundamentais a ter em conta na montagem de uma exposição seja qual for a sua natureza ou dimensão. E, numa época em que as exposições virtuais se multiplicam, há que considerar igualmente estes aspetos metodológicas se queremos garantir o sucesso da nossa exposição.

Uma exposição é um meio de comunicação que possibilita ao público vivenciar experiências tanto a nível emocional como intelectual.

Objetivos de uma exposição

  • Apresentação e divulgação do património aos diversos tipos de público;
  • A transmissão de conhecimentos;
  • A promoção da investigação científica;
  • O desenvolvimento da função didática do espaço museológico;
  • Satisfação cultural e emocional do público.

Modelos de apresentação e organização

  • Permanentes ou quase permanentes (de longa duração);
  • Temporárias (de curta duração)
  • Itinerantes
  • In situ
  • Virtuais

De seguida sistematizam-se os 10 aspetos a ter em conta na sua montagem.

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Button_Widget”][/siteorigin_widget]

10 aspetos a ter em conta na montagem duma exposição

1 – Escolha do tema

Pode referir-se a alguma comemoração, homenagem, a objetos, artistas, época histórica ou pode ser um tema original. 

2 – Escolha das áreas expositivas

O percurso expositivo e correspondente articulação com outros espaços do museu; os acessos; os equipamentos de segurança (sistema elétrico, vídeo vigilância, alarmes com ligação a forças de segurança); a vigilância presencial (vigilantes, empresas de segurança).

A localização relativa a áreas de potencial risco ou de circulação livre de visitantes (receção, loja, restaurante, casas-de-banho).

Os dados de monitorização ambiental e biológica; os equipamentos de controlo ambiental (ar condicionado, ventoinhas, aquecedores, humidificadores ou desumidificadores).

O tipo de iluminação (artificial, natural); a instalação elétrica; os equipamentos expositivos (quantidade e dimensões).

3 – A estimativa do orçamento necessário

E as formas de obtenção dos meios financeiros necessários.

4 – A constituição de uma equipa de trabalho com formação e interdisciplinar

Colaborando todos os membros nas questões relacionadas com a boa conservação dos bens culturais.

O comissário é o produtor teórico exclusivo da exposição, competindo-lhe a definição dos objetivos e do conceito da mesma.

Os “registers”, são responsáveis pelo registo fotográfico, pelo preenchimento das “condition reports” de cada obra, pela conservação preventiva do espólio e pela climatização adequada tanto do espaço de reserva como do espaço expositivo, assim como por todos os procedimentos contratuais a estabelecer tanto com os proprietários das obras como com os artistas, seguradoras e transportadoras.

Os curadores da exposição devem então assegurar;

A segurança das obras, a sua embalagem e transporte, os suportes onde devem estar expostas (painéis, vitrines, molduras, etc.). Ou, em alternativa, a segurança das obras durante os processos de criação de conteúdos digitais (fotografia, criação de vídeos, etc).

O material gráfico e digital de apoio à exposição (catálogos, cartazes e convites, aplicações, websites).

A divulgação tanto ao nível da comunicação social e das redes socias, assim como a comunicação interna.

A instalação e manutenção dos sistemas de segurança,

A contratação de equipas externas e a contabilização e projeção de tempo de forma a garantir um cronograma possível de concretizar nos espaços de tempo previstos.

5 – A seleção dos objetos expostos.

6 – A investigação do historial de cada peça e o restauro (quando necessário).

7 – A realização de programas científicos, de projetos – conhecendo todos os pormenores dos programas científicos.

8 – A seleção e/ou construção do espaço adequado à transmissão da mensagem.

O espaço da exposição pode ser físico ou virtual.

9 – Legenda e sinalização simplificada e facilmente entendida por todos.

10 –  A edição de meios de comunicação e de suporte à exposição.

Sempre a pensar no(s) público(s)-alvo.

Alguns exemplos de exposições onde pode ver a aplicação dos aspetos que referimos neste artigo:

Exposições a decorrer no The Met Museum

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Cta_Widget”][/siteorigin_widget]
[siteorigin_widget class=”Thim_Courses_Widget”][/siteorigin_widget]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu