4 pontos chave para um programa de gerenciamento de riscos em museus

Como implementar um programa de gerenciamento de riscos em museus: 4 pontos a ter em consideraçãoCurso Online Conservação Preventiva

A preservação de coleções de obras de arte requer a implementação de um programa de gerenciamento de riscos seja em contexto museológico ou particular. Dependendo da dimensão da coleção, de tipologia e diversidade de peças e das sua condições de exposição / armazenagem, esta tarefa pode ser mais ou menos trabalhosa.

Mas utilizando a metodologia e ferramentas de registo adequadas será simples.

Vamos então partilhar a metodologia proposta pela colega Susana Mota no Curso Online Conservação Preventiva.

4 pontos chave para um programa de gerenciamento de riscos em museus

  1. Identificação dos riscos da coleção
  2. Avaliação do risco
  3. Identificação de possíveis estratégias para atenuar os riscos
  4. Avaliar os custos e benefícios de cada estratégia

Pode ver uma síntese desta metodologia no vídeo abaixo. Seguidamente desenvolvemos os conceitos e partilhamos algumas ferramentas úteis.

1. Identificação dos riscos da coleção

Esta identificação é efetuada partindo da análise dos 10 agentes de deterioração

  1. Forças físicas
  2. Ação criminosa
  3. Fogo
  4. Água
  5. Ataque biológico
  6. Poluentes
  7. Luz e radiação
  8. Temperatura incorreta
  9. Humidade relativa incorreta
  10. Negligência

Cada um destes agentes de deterioração pode manifestar- se de acordo com uma classificação do risco tendo por base a análise da frequência da ocorrência e o grau de efeito / intensidade no objeto e coleções

Consideramos assim, e de uma forma geral, 3 tipos de risco

  1. risco raro e de efeito catastrófico
  2. risco de ocorrência moderada mas de intensidade grave
  3. risco de ocorrência constante e de intensidade moderada

 

CP programaDentro dos riscos gerais, existem riscos que são específicos para um determinado tipo de museu, coleção, localização geográfica, …

Assim, com a apresentação do quadro seguinte pretendemos clarificar esta identificação de risco, dando exemplos concretos da sua aplicabilidade. (carregue para descarregar tabela em Pdf)

MATRIZ DE INTENSIDADE DE RISCO

2. Avaliação do risco

Para planear estratégias e reduzir o impacto das ocorrências é necessário prever e avaliar a ação dos fatores de risco.

 

É também necessário registar as ocorrências (por exemplo: falhas de equipamento, inundações, sismos ou derrocadas) de forma a estimar por alto a frequência com que as mesmas ocorrem.

 

Avaliar os riscos e a sua probabilidade de ocorrência significa uma diminuição das despesas, mas, principalmente, uma diminuição dos danos (muitas vezes irreversíveis) nos bens culturais.

 

Os efeitos que os fatores de risco podem causar está dependente da materialidade dos objetos. Utilizando uma forma de registo simples, apresentamos um exemplo de tabela que poderá servir como uma ferramenta de avaliação dos riscos.

TABELA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS

 

Esta tabela permite-nos analisar de forma rápida a vulnerabilidade dos materiais face ao risco, atribuindo uma escala de de 1 a 5, sendo 5 para os casos de maior risco e 1 para o de menor risco.

3. Identificação de possíveis estratégias para atenuar os riscos

Existem 3 meios básicos para atenuar o risco

  1. Eliminar a fonte de risco
  2. Estabelecer uma barreira
  3. Atuar sobre o agente responsável pelo risco

4. Avaliar os custos e benefícios de cada estratégia

Na implementação de um programa de gerenciamento de riscos temos sempre de ter em consideração a relação de custo / benefício de cada estratégia / ação. Esta avaliação só poderá ser realizada tendo por base uma correta avaliação dos riscos conforme a metodologia acima descrita.

O Canadian Institute for Conservation disponibiliza documentação técnica aprofundada sobre gestão de riscos em Museus. Pode consultar AQUI

No curso Conservação Preventiva pode aprender a identificar e prever situações de risco e desenvolver acções planeadas que permitam reduzir ou controlar os danos que possam vir a provocar a degradação dos bens culturais. Terá ao seu dispor várias ferramentas de análise, avaliação e registo que permitirão implementar um programa de conservação preventiva.

SABER MAIS SOBRE ESTE CURSO

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter

E receba informação atualizada sobre temas de história da arte e valorização do património.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu