Quinta da Regaleira | uma visita guiada a este enigmático e surpreendente monumento!

Newsletter

A Quinta da Regaleira – um dos monumentos mais encantadores de Sintra!

Um enigmático e surpreendente palácio de veraneio rodeado por jardins deslumbrantes!


O fundador da Quinta da Regaleira | Quem foi António Carvalho Monteiro?

António MonteiroO fundador da Quinta e dos Jardins da Regaleira, António Augusto Carvalho Monteiro, nasceu no Brasil, no Rio de Janeiro, em 1848, e faleceu em Sintra em 1920. O seu pai, tal como muitos outros portugueses, emigrou para o Brasil onde conseguiu constituir uma enorme fortuna com o comércio de diamantes e de café.

Carvalho Monteiro licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra e herdou a fortuna paterna. Tornou-se num capitalista extremamente rico e excêntrico que viu em Sintra, tal como muitos outros membros das classes ricas, um refúgio à agitação de Lisboa. O ar fresco da montanha, a existência de inúmeras nascentes de água e a possibilidade de caçar veados e javalis na floresta atraiu sempre muitas famílias nobres portuguesas ao longo dos séculos, incluindo é claro a família real.

Carvalho Monteiro era uma pessoa muito eclética com uma vasta cultura, um espírito científico profundo e um enorme interesse por botânica, poesia, belas-artes, zoologia (em particular o estudo dos moluscos), teatro ou mineralogia. Era um bibliófilo, um colecionador e um filantropo.

A Belle Époque: um período de grandes alterações técnicas

Esta espetacular Quinta foi construída durante a época que é normalmente conhecida comoEstilos arquitetónicos curso online Belle Époque que começou em 1890 e terminou em 1914, altura em que se iniciou a Primeira Guerra Mundial.

Foi um período muito fértil em termos de desenvolvimento técnico: os automóveis foram inventados; a luz elétrica foi usada para iluminar os candeeiros de rua de muitas cidades europeias; o cinema popularizou-se; os telefones e os telégrafos começaram a ser amplamente usados; e os elevadores em ferro, elétricos e funiculares apareceram por toda a Europa.

Em 1895, os irmãos Lumière inventaram a câmara cinematográfica e o projetor (tornou-se conhecido como “Cinematógrafo” e chegou a Lisboa em 1907). Em 1896, Guglielmo Marconi desenvolveu um sistema primário de telegrafia sem fios.

Em 1903, os irmãos Wright construíram e fizeram voar o primeiro avião a motor e, em 1904, foi realizada a primeira chamada telefónica entre Lisboa e o Porto.

Todas estas invenções tecnológicas melhoraram a qualidade de vida de uma parte da30 monumentos que devia conhecer população europeia e o ritmo de vida quotidiano tornou-se mais rápido. Na viragem do século a velocidade era a palavra-chave.

Um tempo de enormes diferenças sociais e económicas

Além dos desenvolvimentos tecnológicos motivados pela Revolução Industrial europeia, a Belle Époque foi também marcada por profundas diferenças sociais e económicas entre as famílias capitalistas ricas e as classes trabalhadoras pobres.

Enquanto a grande maioria dos portugueses vivia sob condições miseráveis e deslocava-se em burro ou cavalo, as famílias da classe alta (e entre elas a família do milionário Carvalho Monteiro) compravam automóveis franceses que atingiam 80km por hora. Naquele tempo apenas 150 pessoas possuíam um carro em Portugal, o qual era considerado um bem de luxo.

A sociedade portuguesa em 1900

Em 1900, a sociedade portuguesa era na sua maioria composta por trabalhadores rurais que trabalhavam e viviam em condições muito pobres. As famílias da classe alta assistiam a peças de teatro, espetáculos de ópera e organizavam festas nos jardins das suas mansões onde eram servidas por criadas jovens de 12 ou 16 anos, as quais tinham vindo do campo para trabalhar nas casas abastadas. Enquanto o povo pobre vivia em casas sem água canalizada ou sistema de esgotos, comia pão, batatas ou vegetais e divertia-se organizando piqueniques aos domingos nos arredores de Lisboa, as famílias ricas comiam carne, peixe e doces, jogavam ténis, andavam a cavalo ou caçavam e passavam temporadas nas suas residências de verão de Sintra.

O Palácio da Regaleira

No ano de 1893, Carvalho Monteiro adquiriu a Quinta da Regaleira num leilão público. Esta propriedade tinha pertencido à viscondessa da Regaleira.

Após rejeitar o projeto do arquiteto francês Henri Lusseau, Carvalho Monteiro entrou em contacto, em 1898, com o arquiteto italiano, pintor e cenógrafo do Teatro São Carlos em Lisboa, Luigi Manini. Manini, que tinha trabalhado no Teatro La Scala de Milão, vivia em Portugal há muitos anos e estava envolvido em vários projetos de arquitetura tais como a construção do Palace Hotel do Bussaco, um fabuloso Hotel de 5 estrelas localizado perto de Coimbra. O Palácio da Regaleira foi a sua última grande encomenda em Portugal, até ao seu regresso a Itália em 1912.

Quinta da Regaleira fachada

A construção do Palácio da Regaleira e dos seus jardins começou um ano mais tarde, em 1899, e durou até 1912 envolvendo alguns dos melhores escultores portugueses do tempo como: António Gonçalves, João Machado, José da Fonseca, Costa Motta e Júlio da Fonseca.

A fachada do Palácio foi esculpida em pedra calcária de Ançã, uma pequena vila situada perto de Coimbra que se tornou famosa pela qualidade e flexibilidade deste tipo de pedra. O resultado foi um Palácio de estilo neomanuelino e neogótico com uma decoração exuberante e diversa e totalmente enquadrado na paisagem.

Aprenda sobre a arquitetura gótica e os seus revivalismos no curso online Arquitetura Gótica

Quinta da Regaleira decoração

A arte neomanuelina marcou a arquitetura portuguesa no final do século XIX: inspirava-se na arte dos edifícios erigidos durante o reinado do rei D. Manuel I em Portugal, entre 1495 edescobrimentos portugueses curso online 1521, como o Convento de Cristo ou o Mosteiro dos Jerónimos. Este estilo arquitetónico usava elementos naturalistas e fantásticos como papoilas e alcachofras (símbolos de fertilidade e de esperança na resurreição), cordas com nós e bóias de navios (referências à época dos Descobrimentos Portugueses), conchas e algas marítimas (símbolos da origem da vida), troncos de carvalho (um sinal de perpetuidade), cabeças de leão e sapos (símbolos do mundo animal), cães (símbolo de fidelidade a um princípio superior), cordeiros (sinal de sacrifício) ou pelicanos (símbolos de generosidade e caridade).

Infelizmente, os pisos superiores do Palácio, onde estavam os quartos da família, o atelier, a sala de desenho e o laboratório de Carvalho Monteiro, estão fechados para restauro desde os últimos 3 ou 4 anos. Não se sabe quando vão reabrir ao público. A antiga cozinha, a copa, a despensa, o refeitório e o dormitório para os empregados juntamente com a casa do gerador elétrico também não se podem visitar.

Atualmente, apenas poderá visitar as salas situadas no piso térreo: as mais impressionantes são definitivamente a sala de jantar com a sua fabulosa lareira de pedra calcária; a sala de estar onde poderá admirar o teto em madeira esculpida de estilo neorenascentista; e a antiga sala do bilhar onde estão expostos os retratos de 20 reis portugueses e 4 rainhas.

Quinta da Regaleira decoração 2A sala de jantar

Quinta da Regaleira sala de jantar

A sala de jantar é a primeira divisão a que terá acesso após passar pelo impressionante pórtico de entrada. No chão encontrará um bonito mosaico veneziano multicolorido com a imagem de um javali.

Os quartos das crianças (Carvalho Monteiro teve dois filhos da sua esposa Perpétua: Pedro Augusto e Maria) localizavam-se por cima desta incrível sala de jantar.

lareira recorte

Esta sala também é conhecida como sala da caça devido à sua magnífica lareira em pedra calcária: a parte superior da lareira mostra cenas de caça extremamente bem esculpidas. O apelido do dono era Monteiro o que em português significa uma pessoa que estava encarregada de organizar as caçadas e, consequentemente, tinha um profundo conhecimento da vida animal.

Quinta da Regaleira | A capela

Quinta da Regaleira capela

A construção da capela ficou concluída em 1910 de acordo com o projeto do arquiteto Manini e foi influenciada pelo estilo neogótico que está presente na verticalidade do edifício (tal como as catedrais europeias medievais com as suas torres apontadas para o céu), nas gárgulas assustadoras e ainda nos pináculos cónicos decorados com motivos vegetais.

Por cima do portal principal verá esculpida a cruz da Ordem de Cristo, uma organização militar e religiosa que foi fundada em 1319 após a abolição da Ordem dos Cavaleiros Templários.

A vigília do corpo de Carvalho Monteiro realizou-se aqui após o seu falecimento em 1920.

Quinta da Regaleira detalhe

Do lado esquerdo do portal principal encontrará a estátua em pedra calcária de Santo António (1195-1231), um frade franciscano e pregador que morreu em Itália, na cidade de Pádua (onde se encontra sepultado) que se tornou no protetor das crianças pobres e dos casamentos.

Santo António realizou muitos milagres durante a sua vida: um dos mais famosos ocorreu quando pregou um sermão aos peixes em Rimini, em Itália, ignorando a população herege que não queria ouvir a sua mensagem.

Em Lisboa, Santo António é muito célebre pois o dia 13 de junho, o dia da sua morte, é feriado público na cidade e no seu concelho.

Quinta da Regaleira capela 1

O interior da capela  

Carvalho Monteiro e a sua família eram muito religiosos. No interior desta magnífica capela, do lado esquerdo, há um vitral onde está representado o milagre que ocorreu na vila portuguesa da Nazaré.

Segundo o milagre a Virgem Maria apareceu a um cavaleiro templário, Dom Fuas Roupinho, quando ele caçava um veado: o veado e o cavaleiro com o seu cavalo caíram do penhasco, mas o cavaleiro templário foi salvo miraculosamente pela Virgem.

Outra das atrações da capela é o requintado mosaico veneziano multicolor que decora o altar-mor e expõe a coroação da Virgem Maria por Cristo com a presença do Espírito Santo, representado pela pomba branca.

Quinta da Regaleira | Os jardins

Quinta da Regaleira jardins 1

Os jardins da Quinta da Regaleira foram também desenhados por Manini. São compostos por uma grande variedade de árvores e de plantas tais como araucárias, teixos, sequóias, sobreiros, pinheiros, castanheiros, fetos arbóreos, tílias, ciprestes, magnólias, camélias, pinheiros de Norfolk ou cedros.

Há vários túneis e grutas para explorar (como a gruta de Leda) juntamente com quedas de água e lagos.

Quinta da Reagleira Gruta de Leda

Encontrará também diversas torres do cimo das quais poderá desfrutar da magnífica vista sobre a paisagem envolvente!

Quinta da Regaleira | O Poço Iniciático

A principal atração da Quinta da Regaleira é definitivamente a sua torre invertida também conhecida como Poço Iniciático.

Carvalho Monteiro era uma pessoa muito enigmática e fora do comum. Por exemplo, havia uma única chave em ouro que abria a porta do Palácio da Regaleira, da sua residência permanente de Lisboa e do seu mausoléu no cemitério dos Prazeres.

Quinta da regaleira poço iniciático

O Poço Iniciático é basicamente uma torre invertida de 27 metros – pode descer através de uma escadaria em espiral que rodeia a torre. A ideia era subir os 139 degraus e realizar uma viagem simbólica das trevas (do subterrâneo) até à luz, ao conhecimento e à verdade. Uma conexão simbólica entre a Terra e o Céu, uma regeneração espiritual e uma mudança interior eram assim alcançadas.

Quinta da Regaleira | O Passeio dos Deuses

Finalmente não pode sair sem visitar o Passeio dos Deuses.

Carvalho Monteiro era uma pessoa altamente culta e eclética que tinha uma profunda admiração pela mitologia clássica grega e romana.

Nos jardins há uma avenida decorada com estátuas de mármore de alguns deuses clássicos como: Vénus (deusa do amor), Dioniso (um deus relacionado com a fertilidade, vitalidade e regeneração da natureza), Vulcano (deus do fogo e da metalurgia) ou Pan (deus dos pastores e da vida animal).


Website e contactos – Quinta da Regaleira, Sintra, Portugal

Cursos online e E-books do autor

Nuno Alegria

Nuno Alegria

Licenciado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa, pós-graduado em História Contemporânea pela Faculdade de Letras de Coimbra e em Tour Guiding pelo Instituto de Novas Profissões (INP). Guia-Intérprete oficial, fluente em inglês, francês e espanhol, trabalha para a Parques de Sintra e para diversas agências de viagens realizando circuitos turísticos culturais por museus e monumentos de todo o país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu