Estará na hora de repensar a proteção do património cultural ?

Newsletter

Estará na hora de repensar a proteção do patrimonio cultural com um olhar realista sobre os grandes riscos que atualmente se colocam. Depois do incêndio no Museu do Rio de Janeiro e na Catedral de Notre Dame chega-nos hoje a notícia da destruição pelo fogo do Castelo de Shuri, em Okinawa, no Japão. Com mais de 500 anos foi classificado como Património Mundial pela UNESCO em 2000.

Pode acompanhar a notícia aqui.

Mais uma enorme perda para a história e património da humanidade. E com enorme impacto mediático em todo o mundo.

Estes desastres levam as entidades oficiais a diagnosticar causas e a repensar diretrizes e legislação para a proteção do património cultural e geram uma onda de indignação e tristeza.

proteção do património cultural | há casos e casos…

Quando falámos neste site, com o contributo de colegas do Brasil, sobre o incêndio do Museu no Rio de Janeiro de imediato se atribuíram as causas ao descaso por parte das entidades oficiais relativamente à proteção do património cultural . Aos orçamentos limitados, ao deficiente funcionamento dos meios de combate a incêndios, à não aprovação de verbas para obras de remodelação e modernização, etc, etc. E sem dúvida que se tudo isso tivesse funcionado ter-se-ia evitado uma das maiores perdas para a história do Brasil e do Mundo.

Mas o que dizer sobre a Catedral de Notre Dame? Um dos monumentos mais visitados do mundo e, consequentemente, um dos mais rentáveis em termos económicos e, à partida, com os meios e atenção necessária à prevenção de riscos.

E sobre o Castelo de Shuri? As autoridades de Okinawa teriam seguramente implementados meios de proteção do património cultural e de gestão de riscos.

e outros casos…

Sem o mesmo impacto mediático tem acontecido a destruição de património cultural um pouco por todo o mundo.

Igreja é destruída pelo fogo e única coisa que se salva é quadro de Jesus“. Wakefield, Estados Unidos, 2018.

Pequena igreja do século 17 é destruída por incêndio“. Diamantina, Brasil, Outubro 2019.

Incêndio reduz a igreja de Lavradas a cinzas“. Ponte da Barca, Portugal, 2017.

repensar a proteção do património cultural

Quando estes eventos ocorrem procuram-se causas e responsabilidades. Os organismos oficiais alteram legislações e libertam meios para reconstrução. Geram-se correntes de solidariedade e surgem donativos. Em suma, há reação.

Mas as catástrofes não se evitam com reação mas sim com prevenção.

E a prevenção e gestão de riscos deverá ser adequada e eficaz relativamente aos riscos e problemas reais que se colocam à proteção do património cultural atualmente.

Não há coincidências! A sucessão de desastres de dimensão e impacto mediático variável mas sempre representando perdas inestimáveis para a nossa memória coletiva não é um acaso.

E os desafios que se colocam a todos quantos têm a responsabilidade de velar pela proteção do património cultural – e essa responsabilidade é mesmo de todos – são provavelmente muito maiores do que imaginamos.

A necessidade de implementar mecanismos de prevenção e gestão de riscos em património cultural é cada vez maior. Mas é igualmente necessário repensar quais são efetivamente os riscos e a dimensão que podem atingir.

Será provavelmente também necessário repensar a relação de todos nós com o património cultural e ir mais além. Passar das indispensáveis políticas de prevenção para uma mentalidade de prevenção.

Muito obrigada pela sua atenção.

Fátima Muralha


Vários organismos têm desenvolvido trabalhos de grande valia para a prevenção de riscos, nomeadamente de riscos de incêndio.

Nesta ligação pode descarregar os guias de Prevenção de riscos em edifícios de valor patrimonial disponibilizados pela Junta de Castilla y Leon, em Espanhol e Português.


A sua opinião e contributo:

Pensa que é possível desenvolver  uma mentalidade de prevenção de riscos e proteção do património cultural? Com que medidas?

Tem conhecimento de outros trabalhos (guias ou trabalhos técnicos) relativos à proteção do património que sejam úteis a todos os colegas? Pode partilhar link nos comentários ou enviar para geral@citaliarestauro.pt para divulgação.

Fátima Muralha

Fátima Muralha

Licenciada em história, opcional história de arte. Pós graduação em gestão e valorização do património, especialização em gestão de projetos culturais. Vários cursos de especialização na área da valorização do património, gestão de projetos, museologia e formação profissional. Coordenação de vários projetos ligados ao património histórico e artístico. Autora de várias publicações e comunicações. Criação e coordenação do projeto Citaliarestauro.com.

Sobre conservação do património cultural

8 Comentários. Leave new

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu