O que foi o Neoclassicismo?

Newsletter

[sibwp_form id=1]

Neste artigo vai ficar a conhecer o que foi o neoclassicismo e como se manifestou na arquitetura, em França e Inglaterra.

You can also read this post in English.

O que foi o neoclassicismo

O neoclassicismo designa um movimento cultural surgido na Europa a partir de meados do Sec. XVIIIEstilos arquitetónicos curso online perdurando até às primeiras décadas do Sec. XIX.

Manifestou-se em várias vertentes artísticas nomeadamente na arquitetura estando intimamente ligado às novas correntes intelectuais e filosóficas.

Os arquitetos do neoclassicismo apresentaram propostas estéticas completamente diferentes dos estilos arquitetónicos que os precederam.

Neste artigo sobre o que foi o neoclassicismo vamos abordar:

  • como surgiu o neoclassicismo.
  • alguns edifícios neoclássicos.
    • em França.
    • em Inglaterra
  • as principais caraterísticas do neoclassicismo.

O que é o neoclassicismo – surgimento

O surgimento do neoclassicismo prende-se com um cansaço do fausto relativo ao exagero ornamental do Barroco e do Rococó.

Como é comum em história da arte um estilo surge como reação ao seu predecessor.

Por oposição ao excesso decorativo do barroco o neoclassicismo carateriza-se pelo regresso às formas austeras da Antiguidade.

o que foi o Neoclassicismo Louis-Pierre Baltard, Palácio da Justiça, Lyon

Louis-Pierre Baltard, Palácio da Justiça, Lyon

 

As novas propostas estéticas, fortemente enraizadas no racionalismo filosófico refletiram-se de várias formas na produção artística, da música à literatura e pintura.Classicismo e romantismo curso online

Aliados à época do Iluminismo os arquitetos estavam convencidos que era possível influenciar os homens através das formas arquitetónicas, motivando-os a uma atitude guiada pela razão e pela moral.

O que foi o neoclassicismo – a influência das formas clássicas

Em linhas claras, rigorosas e elegantes de corpos compactos, já conhecidos do Renascimento, o fascínio pelas construções clássicas era notório e passou a ser considerado exemplo de arte superior e a seguir.

Os arquitetos neoclássicos erigiram edifícios harmoniosos e racionais.

É notória a influência das regras arquitetónicas e matemáticas da Grécia Antiga, assim como, dos escritos de Vitrúvio.

As cidades romanas de Pompeia e Herculano

Para compreender o que foi o neoclassicismo é importante pensar não só no seu enquadramento intelectual e filosófico mas igualmente em alguns acontecimentos históricos.

Grande importância tiveram os desenhos publicados dos templos gregos e os escritos do arqueólogo alemão Johann Joachim Winckelmann.

Estes revelavam as escavações realizadas em Herculano (1738) e Pompeia (1748).

Johann Joachim Winckelmann - o que foi o neoclassicismo

Johann Joachim Winckelmann

 

Estas cidades soterradas pelo Vesúvio no sul de Itália, originaram um gosto e fascínio pela antiguidade romana.

Roma tornou-se no local de encontro de artistas do neoclassicismo e originando o nascimento da arqueologia.

As obras de arte reencontradas levaram curiosos a Pompeia, Herculano e Paestum, e a Grécia e o Egipto causaram também entusiasmo aos artistas.

A cultura substituiu o culto

Não menos importante para compreendermos o que foi o neoclassicismo é entender o papel do Estado laico e as suas encomendas de novas tipologias de edifícios.

Hospitais, museus, bibliotecas, escolas, cafés, teatros, óperas, bolsas, bancos, repartições públicas e sedes de governo eram agora os grandes edifícios construídos.

Apresentavam fachadas semelhantes aos templos da antiguidade em edifícios de grandes dimensões, cingindo-se à função pública de encomenda estatal.

Deixaram-se praticamente de construir igrejas e palácios.

A influência clássica é clara em diversos edifícios emblemáticos em França e Inglaterra como veremos de seguida.

O que foi o neoclassicismo – edifícios neoclássicos

Em França

A influência destas descobertas é notória no primeiro edifício deste estilo a ser projetado em França.

A igreja dedicada a Sta. Genoveva (padroeira de Paris), foi construída entre 1764-1790 com o traço de Jacques-Germain Soufflot.

Inspirada no Panteão de Roma, na sua linguagem, fachada e cúpula, foi convertida em Panteão Nacional, após a Revolução em 1791.

Panteão de Paris o que foi o neoclassicismo


Igualmente de traço romano temos, na mesma cidade, a Igreja da Madeleine (1806-42), de Barthélemy Vignon.

Destinada a comemorar as vitórias de Napoleão, e nitidamente influenciada nos templos romanos, assim como o Arco de Triunfo da Étoile (1806-36), também em Paris.

Igreja da Madeleine exemplo de o que foi o neoclassicismo


 

o arco do triunfo e o que foi o neoclassicismo


 

Em Inglaterra

Observa-se uma forte influência no arquiteto italiano maneirista Andrea Palladio, que teve em Robert Adam (arquiteto e decorador) o seu principal representante.

Autor de várias residências privadas em Londres como a Wynn House (em Saint James Square), Home House (em Portman Square) e a Portland Place, entre muitas outras.

o que foi o neoclassicismo Wynn House (em Saint James Square)

Wynn House (em Saint James Square), Londres

 

O que foi o neoclassicismo – caraterísticas

Os arquitetos do neoclassicismo utilizaram os elementos construtivos clássicos (colunas, ordens eGuias de tesouros arquitetónicos 3 cursos online entablamentos) .

Adaptaram este estilo antigo às necessidades do seu tempo, conciliando-o com os novos sistemas construtivos, maquinarias e materiais.

decoração era discreta e reduzida ao mínimo, em edifícios austeros e rigorosamente simétricos, de fachadas longas onde predominava o eixo central e a forte horizontalidade, reforçada pelos telhados retilíneos coroados por urnas ou esculturas e pela ausência de torres e cúpulas, onde ao contrário dos templos gregos a fachada não era pintada.

Os relevos revestiam frontarias de edifícios públicos e privados, copiando as formas de representação dos modelos clássicos, com roupagens e poses semelhantes às dos deuses.

No interior, pinturas murais e relevos em estuque, influenciados pelas casas de Pompeia e Herculano, decoravam as estruturas.

Utilizaram materiais nobres como o mármore, o granito e a madeira, entre alguns modernos como o ladrilho cerâmico e o ferro fundido.

As plantas eram de formas geométricas baseadas no quadrado e no círculo.

Construíram-se  jardins à francesa (geométricos) e à inglesa (simulação da natureza no seu estado natural, irregular e espontâneo).

Os jardins eram o remate final para a unidade pretendida na arquitetura do século das Luzes.

Pode ter interesse nos cursos online

Diana Ferreira autora cursos online

Diana Ferreira

Licenciada em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e mestre em Museologia em Espanha (Valladolid).
Trabalhou na Galleria Nazionale d’Arte Moderna di Roma e na direção da Galleria dos Uffizi, em Florença.
Bolseira diversas vezes com projetos de estudo e trabalho em Itália e Espanha, foi formadora e professora responsável pela disciplina de História da Arte no Porto, e de Introdução à História da Arte, Iconografia e História da Arquitetura, na Academia de Arte em Florença.
Em 2014 publicou o livro Guia dos Tesouros Arquitetónicos. Lisboa, Chiado Editora, 2014, fruto de uma investigação aprofundada sobre os temas.

Newsletter

[sibwp_form id=1]

Menu