Era uma vez… vinho! Há 4000 anos! Breve história do vinho em Portugal

Newsletter

A história do vinho em Portugal entrecruza-se com a própria história do país.

O vinho português é atualmente um produto de excelência, com caraterísticas únicas e de grande importância sob o ponto de vista económico.

Faz parte da nossa história e do nosso Património Cultural.

Mas como começou a história do vinho em Portugal?

Vamos fazer um breve percurso por esta longa história com a Paula Thomas, autora do curso Vinho Português - uma visita guiada.

Era uma vez… vinho!  Há 4000 anos!

História do vinho  – a romanização e as invasões bárbaras

Tartéssios, fenícios, gregos, celtas, celtiberos, entre os séculos XX e IV antes de Cristo, plantaram vinha e introduziram castas no território que é hoje Portugal.

Com a romanização no século II a.C. dá-se a modernização da cultura da vinha como a poda. O vinho é enviado a Roma onde a procura é superior à oferta.

Na mitologia romana, Baco (Dionísio para os gregos) era o deus das festas, do vinho, do lazer e do prazer.

Foi o último a chegar ao Olimpo e é filho de Júpiter e da princesa Sémele (neta de Zeus), sendo o único deus filho de uma mortal.

É geralmente representado sob a forma de um jovem risonho e festivo, com um cacho de uvas nas mãos ou uma taça de vinho.

Historia do vinho - Baco Michelangelo — Bacchus. Museo del Bargello, Florence, Italy.

O vinho fermentava em talhas (ânforas) na época romana.  A vasilha/talha/ânfora tem esta aparência:

Historia do vinho em Portugal

 

Os bárbaros reforçam o cristianismo, o vinho torna-se então indispensável ao ato sagrado da comunhão.

História do vinho – na Idade Média

Na Idade Média, as guerras de reconquista cristã contra os mouros levam à destruição dos vinhedos.

Portugal é fundado em 1143 por D. Afonso Henriques e o território é reconquistado totalmente em 1249.

O arroteamento de terras ( preparação dos solos para a agricultura) permitiu a instalação de novas áreas de vinha e, para o seu cultivo, foram retomadas técnicas descritas pelos “Geopónicos” do tempo de Roma.

E as ordens religiosas estabelecem-se por cá (Templários, Cistercienses…).  As ordens tornam-se centros ativos de colonização agrícola. A cultura da vinha propaga-se.

Mosteiro de Cister AlcobaçaMosteiro de Alcobaça, ordem de Cister, constituiu um dos polos de desenvolvimento agrícola e de atração populacional durante a Idade Média

O vinho entra então no regime alimentar do homem medieval. A sua importância provém do seu papel nas cerimónias religiosas.

Daí o interesse do clero, igrejas e mosteiros pelo cultivo da vinha.  A produção de vinho aumenta fortemente e a exportação também.

Historia do vinho idade médiaTapeçaria “Les Vendanges”, Musée de Cluny, 1ª metade do Séc. XVI

Fonte: https://www.musee-moyenage.fr/collection/oeuvre/les-vendanges.html

História do vinho – a expansão marítima, até ao sec. XVIII

Os séculos XV e XVI são a época áurea da expansão marítima. Os navios que cruzavam os mares levavam muito vinho a bordo. O vinho dentro das pipas que passa o Equador é muito bom logo vendido caro.

Esse vinho especial é apelidado « torna-viagem ».

Lisboa era o maior centro de consumo e de distribuição de vinho do império. Os Descobrimentos levam o vinho português aos 4 cantos do mundo!

Em 1703 Portugal e Inglaterra assinam o Tratado de Methuen.

O Marquês de Pombal cria em 1756 a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro. É a 1ª região demarcada do mundo.

História do vinho Companhia do alto douro

História do vinho – do sec, XIX à atualidade

No século XIX surge a filoxera, um pulgão devastador que destrói as vinhas; apenas a região de Colares não será atingida devido ao seu solo de areia (pé franco).

A partir do último quartel do século XIX, a filoxera constituiu-se como a praga mais devastadora da viticultura mundial, alterando profundamente a distribuição geográfica da produção vinícola e provocando uma crise global na produção e comércio dos vinhos que duraria quase meio século.

Em 1907/1908 são criadas as DOC Madeira, Moscatel de Setúbal, Carcavelos, Dão, Colares, Vinho Verde.

Nos anos 50/60 surgem as cooperativas para ajudar os viticultores a organizarem-se. O objetivo é produzir grandes quantidades a granel.

Quando Portugal adere à CEE em 1986, é criado o IVV (Instituto da Vinha e do Vinho) para adequar a viticultura portuguesa às diretivas europeias.

O papel das comissões vitivinícolas é preservar a qualidade e o prestígio dos vinhos portugueses.

Isso traduz-se em 31 Denominações de Origem e 14 Indicações Geográficas.

Vinho Português – uma visita guiada | Curso online certificado

Conheça a história do vinho português e as caraterísticas que o tornam único.

Aprenda a identificar vinhos, a degustar e a escolher o seu vinho harmonizando-o com os sabores e as ocasiões.

Aprenda a “provar” o vinho registando as suas observações por forma a selecionar aquele(s) que será(ão) o(s) seu(s) vinhos de eleição.

Surpreenda! Ao oferecer um voucher para um curso de vinho português online.

No curso de vinho aprende-se a conhecer o vinho português e o que o diferencia. Aprende-se a degustar o vinho e a harmonizá-lo com a comida.

E, claro, a partilhar com os amigos e familiares em momentos especiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu