George Eastman – 1888 – Fotografar é para todos!

Newsletter

[sibwp_form id=1]

A 4 de setembro de 1888 George Eastman patenteou a primeira câmara fotográfica com filme de rolo.

Nasce assim a Kodak nº1 e inicia-se a democratização da fotografia.

Quem se imagina, hoje, sem ter, na palma da mão, a possibilidade de tirar uma fotografia imediatamente, guardá-la ou partilhá-la no mesmo instante?

Temos então de agradecer a George Eastman que patenteou a primeira câmara fotográfica para amadores e lançou, há 134 anos, o princípio.

“Câmaras fotográficas para todos”

Primeira fotografia
Conheça a história da fotografia e
das técnicas fotográficas no curso online
Carregue para ver mais

George Eastman

Em 1880, nos Estados Unidos, George Eastman começou a produzir negativos de vidro na cozinha da sua mãe.

À medida que as vendas cresceram, fundou a sua própria companhia – a Eastman Kodak Company – que se tornou uma poderosa multinacional da área da fotografia.

Desenvolveu ainda o conceito de câmara fotográfica, criando aparelhos mais simples e acessíveis e que produziam fotografias com uma qualidade bastante aceitável.

Portrait of George Eastman, 1890, Photographer: Nadar, source:George Eastman Museum

Portrait of George Eastman, 1890, Photographer: Nadar, source: George Eastman Museum

 

A Kodak nº 1

George Eastman Kodak n 1

"Qualquer um pode usá-la: Nenhum conhecimento de fotografia é necessário".

Em 1888, George Eastman apresentou uma máquina fotográfica de utilização muito mais simplificada.

Abriu assim a fotografia a um público vasto e amador.

A patente da primeira máquina de rolo, a Kodak nº 1, a 4 de setembro de 1888, foi assim o marco histórico na democratização da fotografia.

A Kodak nº 1 tinha um foco e exposição fixos e era vendida com um rolo de papel para 100 fotografias (Eastman American Film), em formato circular com 63mm de diâmetro.

Kodak nº 1 a primeira camara fotografica de rolo

Kodak nº 1 – a primeira câmara para amadores lançada pela companhia de Georges Eastman.

1,2,3 – fotografar…

O processo das câmaras Kodak era limitado a 3 operações: armar o obturador, avançar a película e disparar.

Fotografar passou a ser encarado como algo muito mais acessível e fácil e os fotógrafos amadores aumentam em número, tal como as vendas.

Como funcionava a revelação

Uma vez o rolo exposto, era enviado para a fábrica onde era revelado e  os negativos impressos em papel (mais tarde em película).

A câmara era devolvida ao dono com um novo rolo, assim como as provas e os negativos do anterior, devidamente processados.

George Eastman Kodak nº 1 advertising

Publicidade da câmara Kodak nº 1 – "você carrega no botão, nós fazemos o resto".

O sucesso

Em 1889, Eastman lança a Kodak nº 2, que produzia igualmente imagens circulares, mas de 89mm de diâmetro.

Em meados da década de 1890 já tinham sido comercializadas 100.000 câmaras Kodak.

Graças a este sucesso o preço das câmaras vai baixando e em 1900 a Kodak lança a Brownie, uma câmara para crianças que produzia 6 fotografias e custava apenas 1 dólar.

Kodak Brownie advertisement

Vendeu cerca de 250.000 exemplares em apenas um ano.

Kodak Brownie anuncio Natal

Este sucesso foi acompanhado e seguido por outras empresas, na Europa.

Em Inglaterra – pela Ilford.

Em Itália – pela Ferrania.

Na Bélgica – pela Gevaert.

Em França – pela Lumiére.

Na Alemanha – pela Agfa.

Isto foi apenas o início da democratização da fotografia.

As câmaras fotográficas foram-se adaptando ao longo da história.

Tornaram-se cada vez mais compactas, mais fáceis de utilizar.

O processo de revelação das fotografias também se foi sucessivamente tornando mais simples e rápido.

O caminho até à fotografia digital ainda levou algumas décadas.

Podemos dizer que a fotografia digital começou com a criação do CCD, na Bell Labs, por dois inventores, George Smith e Willard Boyle, em Outubro de 1969.

Um sensor de imagem CCD, de máquina fotográfica digital.

Um sensor de imagem CCD, de máquina fotográfica digital.
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:CCD_sensor.JPG

Elaboraram o esboço base da estrutura do CCD, definindo os seus princípios operativos e as suas aplicações (em que se incluía a reprodução de imagem e memória).

Em 1970, os Laboratórios Bell incorporaram o CCD na primeira câmara de vídeo.

Cinco anos depois, mostraram ao público a primeira câmara CCD com imagem de qualidade suficientemente boa para a difusão televisiva.

Os CCD rapidamente revolucionaram a fotografia e a sua acessibilidade.

Permitiram ainda inovações no campo da ciência, nomeadamente da medicina e astronomia.

Conheça os cursos online de fotografia e conservação de fotografias

Newsletter

[sibwp_form id=1]

Menu