Como identificar fenómenos em fotografia que parecem danos

Existem alguns fenómenos que se verificam em fotografias que podem parecer danos provocados pelo tempo ou por deficiente conservação, mas não o são. A identificação destes fenómenos é importante quando falamos em conservação de fotografia.

fenómenos em fotografias


o que são danos em fotografias

Danos caracterizam-se como algo que possa causar alterações físicas na integridade de um material, diminuindo o seu valor, utilidade ou função normal. Em qualquer material, o dano é uma transformação física e/ou química que ocorre e que pode transformar as características intrínsecas do referido material.

Existem muitas transformações que podem ocorrer em fotografias, como a alteração da sua cor original ou desvanecimento ou perda de contraste…

E podem ter inúmeras razões, tais como a presença de fungos ou infestação de insetos, ou alterações de calor ou humidade.

Além de serem uma imagem, as fotografias são um objecto palpável, que ocupa um lugar no espaço e que requer uma atenção específica, mediante a sua composição fisico-química e as fragilidades que daí advêm. Daí que a sua preservação requer uma análise cuidada.

detalhes que não são danos

No entanto, existem alguns detalhes que podemos ver numa fotografia que não são danos às propriedades físicas do material, mesmo que possam parecer como tal. Na realidade, são danos ou erros cometidos no início do processo criativo que influenciam o resultado final, ou mesmo uma ação propositada do fotógrafo.

Vamos ver alguns dos fenómenos que podem ocorrer

na manipulação

O fotógrafo pode cometer vários erros ou manipular o processo antes e durante a revelação do filme, negativo ou fotografia. Por exemplo, a câmara ou o ampliador podem ser manipulados para alterar a iluminação, mas a própria câmara também pode ter danos, o que condicionará o resultado. Outros exemplos são: a fotografia resulta muito granulada se mal revelada ou se a luz não for devidamente corrigida pelo fotógrafo durante a revelação do negativo. Também durante este processo, se o fotógrafo for descuidado, a imagem pode ter muito ou pouco contraste.

no negativo

Às vezes, a fotografia mostra danos que estão no próprio negativo. Uma rachadela, arranhões ou mesmo poeira presente num negativo serão transpostos para a foto final, uma vez revelada. Estes fatores são facilmente identificados: fissuras e arranhões resultam em linhas pretas finas e pó como pequenas manchas brancas.

Qualquer poeirazinha na lente da câmara no momento da fotografia também pode resultar num efeito similar.

manipulações realizadas pelo fotógrafo

Há também adições que o fotógrafo pode optar por fazer. Estes podem ser feitos no próprio negativo, bem como na prova positiva. Qualquer manipulação que seja feita ao negativo será transposta para o positivo, uma vez que toda a informação contida no negativo passa para a fotografia final.

Manipulações comuns feitas por fotógrafos incluem retoques na imagem (para mascarar ou corrigir certos detalhes), bem como adicionar máscaras para criar o efeito desejado.

na revelação

Durante o processo de revelação, o fotógrafo pode cometer outros erros, como usar as soluções erradas, como pode agir propositadamente para criar efeitos nas fotografias. Desta forma, as cores dominantes podem sofrer alterações, uma vez que também podem ser manipuladas.

A utilização de diferentes soluções de fixação também pode produzir efeitos de cor alternativos: quando um negativo de cor (previamente processado em preto e branco convencional, e depois fixado e branqueado com um banho específico) é exposto à luz, pode ser reprocessado, desta vez, num revelador de cores para produzir um efeito de cores pastel nas fotografias.

como proceder?

Da próxima vez que estiveres a ver os teus álbuns e coleções, fica atento/a a estes fenómenos. As fotografias podem estar a precisar de algum cuidado, ou podem simplesmente ter marcas de quaisquer fenómenos que ocorreram antes da conclusão do seu processo de feitura.

E se alguns destes erros parecerem fazê-las um pouco desfiguradas, outros acrescentam algum carácter às fotografias.


Fonte: https://journals.openedition.org/ceroart/1770#tocto2n7

Foto original: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b8/Stieglitz-NewYorkOldNew.jpg modificada para “Stieglitz.bmp” pela própria


Yolanda Silva

Yolanda Silva

Tem formação em História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade do Porto). O seu percurso levou-a a trabalhar no Arquivo Histórico Municipal do Porto e no Museu do ISEP, no âmbito do inventário e conservação de coleções de Fotografia. Andou pelo mundo dos antiquários e pelo turismo, até que se tornou formadora, dedicando-se às áreas de História da Arte, Iconografia e Conservação de Fotografia. Trabalha atualmente no Departamento de Cultura da Câmara Municipal do Porto, no âmbito do Património. Tem diversos trabalhos escritos / publicados nas áreas da História da Arte, Iconografia e Conservação.

Conheça os cursos online da área de fotografia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu