Quem foi o primeiro rei do Egito ? Conheça Nemés – o fundador da 1ª dinastia à qual se sucederiam 3000 anos de história

Newsletter

Quem foi o primeiro rei do Egito e qual a sua importância para o desenvolvimento da Civilização Egípcia?

Quem foi Menés? Como se soube que foi o primeiro rei do Antigo Egipto? Como foi o seu reinado?

Conheça algumas respostas a estas questões no artigo.

Nemes rei do Egito


o governo centralizado e a prosperidade da terra

Parecia que a organização necessária para empreender a reforma e a irrigação da terra em larga escala só seria possível depois de se ter projectado a máquina política.

Um governo centralizado sob um único rei.

Crê-se, segundo a tradição, que Menés foi o responsável pela construção das represas do Nilo para controle das águas das inundações.

É provável que a unificação do Egipto e a transformação dramática que ocasionou na coordenação e aceleração de todas as várias empresas comunais parecesse, em retrospectiva, milagrosa.

A realeza e a prosperidade da terra seriam, então, indivisíveis.” (ALDRED, 1970: 50).

o primeiro rei do Egito | as fontes históricas

primeiro rei do Egito Narmer

A paleta de Hieracômpolis apresenta o nome do soberano como Narmer (Nar de peixe e Mer de cinzel), nome pelo qual também ficou conhecido.

 

De acordo com as fontes históricas conhecidas sobre o primeiro rei do Egito :

  • as inscrições tumulares de Nagada e de Abidos.
  • a iconografia da paleta de Hieracômpolis e o testemunho do sacerdote Manetón (época ptolemaica) .

Terá existido uma personalidade régia de nome Menés ou Narmer, que unificou os territórios do Alto Egipto (Sul) e do Baixo Egipto (Norte).

Terá sido responsável pela fundação da 1ª Dinastia, à qual sucederiam 3000 anos de história.

É a partir daqui que se faz a primeira divisão crono-cultural da história política do Antigo Egipto, intitulada de período arcaico (3000-2635 a.C.), ou, se preferirmos, de período tinita.

Esta designação que deriva do nome da primeira capital onde se centralizou o poder político: This ou Thinis.

Para conhecer a importância do Nilo na Civilização Egípcia - Curso Online Antigo Egito: Mitologia e Iconografia.

o governo do primeiro rei do Egito

O governo de Menés – rei do Egito – foi uma monarquia absoluta e teve por símbolo o pschent.

Uma coroa composta pela combinação das duas anteriormente existentes; a coroa Branca Hedjet do Alto Egito e a coroa Deshret Vermelha do Baixo Egito.

A monarquia também funcionava como uma doutrina religiosa, pois o faraó era descendente divino e era também ele uma divindade, o Hórus encarnado.

primeiro rei do egito coroa

Todos estes factos se tornaram inerentes às dinastias seguintes.

Antigo Egito curso onlineEm termos administrativos, o faraó terá exercido uma política agregadora e conciliadora sobre os “nomos”.

Estes eram pequenas divisões administrativas do poder local advindas do enquadramento territorial anterior, que agora integravam o Egipto unificado.

Só um governo autónomo, coeso e devidamente hierarquizado é que permitiria ao faraó garantir a estabilidade política interna e fazer face às necessidades e adversidades do reino.

o primeiro rei do Egito | a estabilidade das fronteiras

No plano militar, o combate aos núbios a sul, aos líbios a oeste e aos beduínos do Sinai a leste, terá sido das principais preocupações da I e II dinastias.

Mas apenas defensivamente e sem intenções expansionistas, pois a prioridade dos faraós terá sido a de assegurar as fronteiras, evitando a infiltração e perturbação destes povos nos domínios egípcios.

De qualquer forma, subjacente ao carácter essencialmente defensivo destes empreendimentos estaria a ideia de que o cidadão egípcio era superior a outros grupos humanos.

Este aspeto revelava uma forma de identificação social entre os povos que compunham o reino unificado do Egipto.

o primeiro rei do Egito | o desenvolvimento técnico

O desenvolvimento técnico da época tinita revelou-se na arquitectura com estruturas de complexidade surpreendente, como as represas e os sistemas de rega.

(Cyril Aldred – 1970).

Estas construções potenciaram o sucesso agrícola, principal sistema económico e de subsistência do Antigo Egipto.

Assegurar a sua prosperidade e abundância também afirmava e assegurava o poder faraónico, assim justificando a união dos reinos.

o primeiro rei do Egito | o desenvolvimento cultural

No plano cultural os Egípcios desenvolveram um sistema de escrita que permitiu ao governoCultura crenças e arte no Egito antigo curso online central registar, organizar, veicular e arquivar a sua comunicação.

E ainda difundir informações ou conhecimentos dentro do reino (técnicos, religiosos, científicos).

Sem a escrita não teria sido possível atingir um desenvolvimento tão célere e característico desta civilização.

A informação não tendo nenhum suporte palpável, duradouro e legível pelas classes políticas e intelectuais, torna-se frágil, dispersa-se ou perde-se.

Ainda no plano cultural, os Egípcios conceberam um calendário solar de 12 meses e 30 dias, e desenvolveram os mitos das origens do Cosmos e da Humanidade.

Destes mitos generalizou-se o de Osiris, um deus relacionado com a fertilidade, o comércio e a vida além-túmulo.

Deste modo, com uma crença enraizada na ressurreição da alma, que só viveria enquanto o corpo terreno existisse, o culto dos mortos difundiu-se aliado à prática da mumificação.


Em suma, a importância da acção unificadora do primeiro rei do Egito permitiu atingir um nível de desenvolvimento político, cultural e económico avançado, característico desta civilização.

De outro modo este não teria sido possível, pois, faltariam os bens essenciais providenciados pela estabilidade, abundância e coordenação de interesses promovidos pela sua “máquina política” centralizada.

Bibliografia
ALDRED, Cyril – O Antigo Egito. Lisboa: Verbo, 1970.

TAVARES, António Augusto – Civilizações Pré-Clássicas. Documento Pdf.

Manual de História das Civilizações Pré-Clássicas. 1º ciclo em História.  Acessível na Plataforma de E-Learning da Universidade Aberta.

Artigo publicado no Jornal da comunidade cientifica de língua portuguesa – A Pátria.


Aprenda mais sobre o Antigo Egito nos cursos online de história

Diana Carvalho

Diana Carvalho

Mestre em História e Património, membro do Conselho Científico da Revista Herança e colunista em a Pátria. Está actualmente integrada como técnica nas escavações arqueológicas do Castelo de Leiria. É também autora de artigos científicos na vertente do Património Cultural e da História.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu