O neoclassicismo e o racionalismo na arquitetura

Newsletter

O neoclassicismo designa um movimento cultural surgido na Europa a partir de meados do Sec. XVIII perdurando até às primeiras décadas do Sec. XIX. Como é comum na história da arte, o estilo que sucede a um outro nasce, precisamente,com o propósito de se opor ao seu antecessor, ou seja, apresentar uma proposta estética diferente.

Texto por Diana Ferreira

Neste artigo ficará a conhecer:

  • surgimento do neoclassicismo
  • edifícios neoclássicos
    • em França
    • em Inglaterra
  • caraterísticas do neoclassicismo

Surgimento do neoclassicismo

O surgimento do neoclassicismo prende-se com um cansaço do fausto relativo ao exagero ornamental do Barroco e do Rococó, que conduziu à reação neoclássica, retornando às formas austeras da Antiguidade.

Arquitetura e monumentosEm linhas claras, rigorosas e elegantes de corpos compactos, já conhecidos do Renascimento, o fascínio sobre as construções clássicas era notório e passou a ser considerado exemplo de arte superior e a seguir.

Aliados à época do Iluminismo, que se orientava estritamente pela razão, os arquitetos estavam convencidos que era possível influenciar os homens através das formas arquitetónicas, motivando-os a uma atitude guiada pela razão e pela moral.

Baseados nelas, os arquitetos erigiram edifícios harmoniosos e racionais, influenciados pelas regras arquitetónicas e matemáticas da Grécia Antiga, assim como, pelos escritos de Vitrúvio.

Para a admiração das formas passadas, grande importância tiveram os desenhos publicados dos templos gregos e os escritos do arqueólogo alemão Johann Joachim Winckelmann sobre as escavações realizadas em Herculano (1738) e Pompeia (1748). Estas cidades soterradas pelo Vesúvio no sul de Itália, originaram um gosto e fascínio pela antiguidade romana, tornando Roma no local de encontro de artistas do neoclassicismo e originando o nascimento da arqueologia.

As obras de arte reencontradas levaram curiosos a Pompeia, Herculano e Paestum, e a Grécia e o Egipto causaram também entusiasmo por parte dos artistas.

Edifícios neoclássicos

Em França

A influência destas descobertas é notória no primeiro edifício deste estilo a ser projetado em França.

A igreja dedicada a Sta. Genoveva (padroeira de Paris), foi construída entre 1764-1790 com o traço de Jacques-Germain Soufflot, e inspirada no Panteão de Roma, na sua linguagem, fachada e cúpula, e convertida em Panteão Nacional, após a Revolução em 1791.

neoclassicismo Panteão

Igreja dedicada a Sta. Genoveva | convertida em Panteão Nacional https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pantheon_of_Paris_007.JPG

 

Igualmente de traço romano temos, na mesma cidade, a Igreja da Madeleine (1806-42), de Barthélemy Vignon.

Destinada a comemorar as vitórias de Napoleão, e nitidamente influenciada nos templos romanos, assim como o Arco de Triunfo da Étoile (1806-36), também em Paris.

neoclassicismo Madeleine

Igreja da Madeleine (1806-42)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_la_Madeleine#/media/File:Iglesia_de_la_Madeleine.jpg

 

Arco do Triunfo de Paris decoracao

Arco de Triunfo da Étoile (1806-36)

Em Inglaterra

Observa-se uma forte influência no arquiteto italiano maneirista Andrea Palladio, que teve em Robert Adam (arquiteto e decorador) o seu principal representante.

Autor de várias residências privadas em Londres como a Wynn House (em Saint James Square), Home House (em Portman Square) e a Portland Place, entre muitas outras.

wynn house

Wynn House (em Saint James Square)

 

Caraterísticas do neoclassicismo

Utilizaram os elementos construtivos clássicos (colunas, ordens e entablamentos) e adaptaram este estilo antigo às necessidades do seu tempo, conciliando-o com os novos sistemas construtivos, maquinarias e materiais.

A cultura substitui o culto, criando novas tipologias encomendadas pelo estado.

Hospitais, museus, bibliotecas, escolas, cafés, teatros, óperas, bolsas, bancos, repartições públicas e sedes de governo, apresentavam fachadas semelhantes aos templos da antiguidade em edifícios de grandes dimensões, deixando praticamente de construir igrejas e palácios e cingindo-se à função pública de encomenda estatal.

decoração era discreta e reduzida ao mínimo, em edifícios austeros e rigorosamente simétricos, de fachadas longas onde predominava o eixo central e a forte horizontalidade, reforçada pelos telhados retilíneos coroados por urnas ou esculturas e pela ausência de torres e cúpulas, onde ao contrário dos templos gregos a fachada não era pintada.

Os relevos revestiam frontarias de edifícios públicos e privados, copiando as formas de representação dos modelos clássicos, com roupagens e poses semelhantes às dos deuses.

No interior, pinturas murais e relevos em estuque, influenciados pelas casas de Pompeia e Herculano, decoravam as estruturas.

Utilizaram materiais nobres como o mármore, o granito e a madeira, entre alguns modernos como o ladrilho cerâmico e o ferro fundido, em plantas de formas geométricas baseadas no quadrado e no círculo e com jardins à francesa (geométricos) e à inglesa (simulação da natureza no seu estado natural, irregular e espontâneo) que eram o remate final para a unidade pretendida na arquitetura do século das Luzes.


 

Aprenda mais sobre arquitetura e monumentos

Diana Ferreira autora cursos online

Diana Ferreira

Licenciada em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e mestre em Museologia em Espanha (Valladolid).
Trabalhou na Galleria Nazionale d’Arte Moderna di Roma e na direção da Galleria dos Uffizi, em Florença.
Bolseira diversas vezes com projetos de estudo e trabalho em Itália e Espanha, foi formadora e professora responsável pela disciplina de História da Arte no Porto, e de Introdução à História da Arte, Iconografia e História da Arquitetura, na Academia de Arte em Florença.
Em 2014 publicou o livro Guia dos Tesouros Arquitetónicos. Lisboa, Chiado Editora, 2014, fruto de uma investigação aprofundada sobre os temas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu