Josefa de Óbidos | Um outro Barroco

A obra de Josefa de Óbidos reveste-se de pormenores de graciosidade e encanto. Tanto nas suas naturezas mortas como nas obras de pintura religiosa esta pintora do barroco português marca a diferença nos pequenos detalhes.

Josefa de Óbidos

Vamos conhecer um pouco mais sobre esta pintora do sec. XVII cuja obra foi aceite e reconhecida no seu tempo. Para além das pinturas de naturezas mortas e religiosas, Josefa d’Óbidos realizou igualmente gravuras em metal.


Nota Biográfica de Josefa de Óbidos

Os dados biográficos de Josefa d’Ayalla são escassos. A maioria dos autores consultados aponta o seu nascimento para cerca de 1630, em Sevilha e a sua morte para 1684, em Óbidos. Filha de pai português e mãe espanhola, a pintora devia encontrar-se já em Portugal no ano de 1636. Em Óbidos, local onde residiu a maior parte da sua vida, desenvolveu a sua atividade pictórica.

Num ambiente pouco próprio ao desenvolvimento das belas artes plásticas, Josefa de Óbidos levou a cabo uma vasta produção aceite com agrado pelos seus contemporâneos, recebendo encomendas diversas. Trabalhou para diversos conventos e igrejas e como retratista da família real.

Este fator faz com que ainda hoje muitas das suas obras estejam dispersas por igrejas e coleções particulares.

Esta pintora, que assinava a maioria dos quadros Josefa de ÓbidosJosefa de Ayalla , Josefa d’Óbidos ou, simplesmente Óbidos.

Fez também gravuras, duas das quais (Santa Catarina e São Pedro, realizados em Coimbra) teriam constituído a sua iniciação nas artes plásticas.

Josefa de Óbidos e o Contexto Cultural da Península Ibérica no Séc. XVII

 Para compreender a obra de um pintor é necessário integrá-la no contexto cultural em que ela se insere. No caso concreto de Josefa de Óbidos, esta integração deve ser feita não só no contexto português mas também no âmbito mais vasto das condições culturais peninsulares. Ao olharmos para os quadros de Josefa de Óbidos temos ainda de refletir sobre a pintura barroca em Portugal e o seu contexto “periférico” relativamente à arte produzida além-Pirinéus.

 

Agnus Dei Francisco de Zurbarán, c1635 40, Museu do Prado

Agnus Dei Francisco de Zurbarán, c1635 40, Museu do Prado

 

No séc. XVII, Portugal viveu a inserção na coroa castelhana com todas as consequências a nível da cultura que estão subjacentes a esta situação. Não devemos, no entanto, estabelecer uma relação direta entre perca de independência e “castelhanismo” da cultura portuguesa uma vez que o bilinguismo e a própria interação cultural, já antes de 1580, estavam presentes, sobretudo nos meios ligados à corte. A anexação de Portugal por Castela não fez mais que acentuar estes fatores relegando a produção literária e artística realizada em Portugal para um certo provincianismo.

Os autores portugueses do séc. XVII, como D. Francisco Manuel de Melo, escreveram tanto em português como em castelhano. Estudiosos deste autor apontam muitas vezes para a identificação das suas ideias com as de escritores espanhóis.

Natureza morta Francisco de Zurbaran

Natureza morta Francisco de Zurbaran, 1633, Norton Simon Museum, Pasadena, CA, US

 

Do mesmo modo, tende-se a ver, nas obras de Josefa de Óbidos, a influência da pintura espanhola . É particularmente apontada a influência dos “bodegones” de Sevilha como Sanchez Cottan e Francisco Zurbarán.

Bodegón – designa o termo de pintura de natureza morta na arte espanhola. Pode saber mais sobre os bodegones na arte espanhola do sec. XVII neste vídeo.

A pintura de Josefa de Óbidos integra-se no panorama específico da cultura portuguesa do séc. XVII: uma ampla influência da cultura castelhana que se interpenetra com a especificidade cultural do nosso país.

Vamos de seguida ver as particularidades da obra de Josefa de Óbidos expressa nos pequenos detalhes.

Josefa de Óbidos – a influência espanhola e a especificidade da pintora

A pintura de Josefa d’Ayalla integra-se, como referido, no panorama da pintura ibérica de seiscentos. Marcado por uma posição periférica, mesmo provinciana, de Portugal relativamente à arte europeia do mesmo período.

A influência da produção artística espanhola é notória ao nível das temáticas e do tratamento formal das mesmas. Mas olhemos para algumas pinturas.

Josefa de óbidos cordeiro-pascal-1670

Josefa de óbidos cordeiro-pascal-1670

 

Neste Agnus Dei de Josefa d’Óbidos o tratamento formal é muito similar às pinturas dedicadas à mesma temática na arte seiscentista ibérica. No entanto, a austeridade é quebrada pela introdução de elementos decorativos florais. O Cordeiro de Deus, mantendo-se como elemento central, é emoldurado por flores e folhas coloridas.


Vamos olhar de seguida para as caraterísticas particulares das naturezas mortas e da pintura religiosa de Josefa de Óbidos.

Josefa de Óbidos | as naturezas mortas

Definição de natureza morta no dicionário online de português:

substantivo feminino – Arte de representar, através da pintura, coisas e seres inanimados, sem vida (vegetais, plantas, paisagens) ou sem consciência (animais).

As naturezas mortas integram também a representação em pintura de objetos do quotidiano.

As temáticas de Josefa de Óbidos centram-se sobretudo nestes objetos do quotidiano e refletem uma arte tradicional irresistível: os doces conventuais.

Incorporando muitas das caraterísticas do barroco em Portugal como os fundos escuros, os jogos de luz e sombra e a hábil utilização da cor, Josefa é uma pintora do detalhe das “pequenas coisas”.

Este detalhe é visível nos doces, nos têxteis, nos barros e cestos. Torna os quadros de Josefa d’Óbidos agradáveis e decorativos.

Mas as suas pinturas são ainda uma importante fonte histórica e etnográfica. A partir delas podemos perceber alguns aspetos do quotidiano do Portugal de seiscentos.

Josefa de Óbidos Natureza Morta 1

Natureza morta, Josefa de Óbidos

Data:1660 (fonte wikiart)

O pão de ló, os biscoitos e outros doces encontram-se numa taça aparentemente de porcelana. O conjunto é enquadrado por pequenas flores.

Josefa de Óbidos 2Natureza Morta com Doces e Barros, Josefa de Óbidos

Data:1676 (fonte: wikiart)

Também aqui temos os doces e flores, os têxteis, as cerâmicas e cestos.

Josefa de Óbidos natureza-morta-com-frutos-e-flores-1670

Natureza morta com frutos e flores 1670.

Josefa de Óbidos | a pintura religiosa

Para além de uma pintura essencialmente decorativa, como são as naturezas mortas, Josefa de Óbidos debruçou-se também sobre temas de cariz religioso. Entre os motivos mais frequentemente retratados pela pintora surgem vidas de santos, meninos jesus e a sagrada família.

Estes quadros de pintura religiosa revestem-se de um valor muito próprio. Em todos eles se podem detetar sinais comuns e específicos imprimidos pela artista. Esta, apesar de tratar temas religiosos, não hesita em revesti-los de um certo caráter decorativo misturando, ingénua e graciosamente, o religioso com o profano. Deste modo surgem pequenas flores espalhadas pelas composições e as figuras trajadas com roupagens e adereços da época. Fornece-nos, também aqui, informações de caráter etnográfico.

Pode estar interessado no artigo sobre um Menino Jesus de Josefa de Óbidos e a relação com uma religiosidade muito particular da época expressa no poema / canção “Menino Jesus em metáfora doce”.

Carregue para ler o artigo

Fátima Muralha

Fátima Muralha

Licenciada em história, opcional história de arte. Pós graduação em gestão e valorização do património, especialização em gestão de projetos culturais. Vários cursos de especialização na área da valorização do património, gestão de projetos, museologia e formação profissional. Coordenação de vários projetos ligados ao património histórico e artístico. Autora de várias publicações e comunicações. Criação e coordenação do projeto Citaliarestauro.com.

Conheça os cursos de história da arte

2 Comentários. Leave new

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu