O que marcou o início da idade média?

Newsletter

O que marcou o inicio da Idade Média e que contexto histórico esteve na base deste período cronológico e cultural?

 

Dois marcos históricos que estão interligados e detêm grande responsabilidade pelo início do período cronológico e cultural denominado de Idade Média foram:

  • a progressiva queda do império romano a ocidente (27 a.C.-476 d.C.),
  • e a simultânea penetração e implantação dos povos bárbaros nos seus territórios.

inicio da Idade média | a degradação das instituições romanas

A estrutura política, social, económica e cultural conhecida como o império romano, estendeu-se sobre a quase totalidade do continente europeu, norte de África e Médio Oriente. Durante o seu meio século de governação inicia-se um processo de degradação e progressiva substituição de instituições, formas de organização social e mentalidades, observada sob diversos fenómenos: 

A decadência das urbs (cidades), através das quais os romanos desenvolveram e mantiveram o seu sistema administrativo e de comunicação, fez-se sentir através da perda de territórios, da degradação topográfica e do abandono dos edifícios públicos. A degradação das estruturas administrativas é reportada quer no plano provincial quer no plano central, com a instabilidade e corrupção dos seus órgãos, nomeadamente das instituições fiscais e judiciais.

Observou-se também a decadência cultural, por imposição de novas condições sociais e de uma religião monoteísta, o cristianismo. A moeda perde importância e valor financeiro, derivado da diminuição dos recursos para a produzir, e da existência de outras realidades monetárias em vigor. Por último, a fragmentação do poder militar, que se revelou na perda da sua eficácia e na perda do controlo das suas instâncias. Para todos estes aspectos concorreram quer a própria instabilidade interna do império, quer o permanente clima bélico derivado das diversas ofensivas bárbaras.

o inicio da Idade Média | a invasão dos povos bárbaros

Contudo, o acontecimento que oficializa a queda do império romano a ocidente sucede com a destituição do último imperador, Rómulo Augústulo, em 476 d.C., por Odoacro, um chefe de proveniência huna, que assumiu o poder em Itália. A oriente, o imperador Zenão deu continuidade à política e formas de organização do império romano, mas não reconheceu a autoridade de Odoacro. Recorre a Teodorico, rei dos Ostrogodos, para invadir a península, porém, após vários conflitos o exército ostrogodo neutralizou o adversário passando a governar a Itália a partir de 493 d.C. Teodorico tornou-se representante do poder imperial a ocidente e estendeu a sua influência aos restantes reinos bárbaros arianos: visigodos; burgúndios; vândalos.


Recapitulando, a progressiva decadência do império romano a ocidente aliada à fusão dos seus modelos de governação com os da organização bárbara, sobretudo de base germânica e ariana, são as razões pelas quais o continente europeu adoptou uma identidade civilizacional totalmente distinta da anterior.

o inicio da Idade Média | novos modelos sociais e económicos

As alterações daí resultantes foram o surgimento de uma nova economia agrária em detrimento de uma economia mercantil, derivando na transformação do carácter da sociedade para uma de natureza predominantemente rural. Surgem os pequenos proprietários e uma nova unidade de exploração agrícola familiar em redor da habitação, o mansus, integrada na grande propriedade de um senhor, a Villae. Neste novo contexto as receitas geradas provêm essencialmente de impostos indirectos.     

As cidades, ou urbes, perderam volume demográfico e importância económica, o que contribuiu para a alteração da mentalidade de uma sociedade anteriormente cosmopolita para uma sociedade fechada e insegura, onde proliferaram novas forma de organização social como sucedeu com a preferência pelo estabelecimento de laços de dependência a troco de protecção e trabalho, de que foram exemplo os laços de vassalagem e o regime do feudalismo.

Desapareceu da noção de Estado enquanto órgão central e do bem público e surge a noção de reino e de propriedade privada, todavia fragmentária. Em termos religiosos e culturais o cristianismo dá continuidade à sua expansão, com reforço do monasticismo, e o acesso à educação torna-se privilégio das famílias aristocráticas.


Para conhecer melhor a cronologia da Idade Média leia o artigo Qual o período da idade média ? Os fenómenos que marcaram 1000 anos de História!



Conheça os cursos online e e-books de história

Diana Carvalho

Diana Carvalho

Mestre em História e Património, membro do Conselho Científico da Revista Herança e colunista em a Pátria. Está actualmente integrada como técnica nas escavações arqueológicas do Castelo de Leiria. É também autora de artigos científicos na vertente do Património Cultural e da História.

Bibliografia

NICHOLAS, D. (1999). Os Precursores de uma Civilização. In A Evolução do Mundo Medieval. Sociedade, governo e pensamento na Europa: 312-1500. Lisboa, Publicações Europa-América.

Artigo publicado no Jornal da comunidade cientifica de língua portuguesa – A Pátria.

1 Comentário. Leave new

  • Valdemir Bezerra da Silva
    07/03/2022 12:56

    Bom dia!

    Diana, gostei do que escreveu. Vou citar seu link para meus alunos pesquisarem sobre seu trabalho, que é muito rico e bonito. Ademais, você escreve muito bem!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu