Expansão europeia – conheça as 5 etapas mais marcantes

Newsletter

Em traços largos, quais foram os momentos mais marcantes da narrativa sobre a expansão europeia – é o tema deste artigo de Diana Carvalho.

Da autora – As causas da expansão europeia.

Expansão europeia – os pioneiros Portugal e Espanha

Portugal

Em 1415, dá-se a tomada de Ceuta, importante entreposto comercial no norte da África; em 1420, a ocupação das ilhas da Madeira e Açores no Atlântico; em 1434, assinala-se a chegada ao Cabo Bojador e, em 1445, a chegada ao Cabo Verde.

Em 1487, Bartolomeu Dias transpõe o Cabo das Tormentas.

Em 1487, Pêro da Covilhã (acompanhado em parte da viagem por Afonso de Paiva) chegou a Alexandria, percorrendo várias cidades no médio oriente como o Cairo e Ormuz, no Golfo Pérsico, alcança a Índia e visita a costa da África Oriental, chegando ao Mar Vermelho onde parte para a Etiópia, onde permanecerá o resto da sua vida ,mas enviará preciosas informações a D, João II.

Em 1498, Vasco da Gama atinge a Índia (Calecut); e em 1500 na viagem de Pedro Álvares Cabral para a Índia, o Brasil é descoberto ou redescoberto.

expansão europeia nau de Pedro Álvares Cabral

Nau de Pedro Álvares Cabral conforme retratada no Livro das Armadas

Espanha

Em 1492 assinala-se a chegada de Cristóvão Colombo à América; em 1504, Américo Vespúcio afirma que a descoberta de Colombo se trata de um novo continente, que ficará conhecida pelo seu nome, América.

De 1519 a 1522, Fernão de Magalhães realizou a primeira viagem de circum-navegação.

Os Descobrimentos Portugueses – novos saberes, novos sabores

Curso online

Expansão europeia  – o  atraso da França, Inglaterra e Holanda

A entrada tardia da Inglaterra nestes empreendimentos foi causada pelo seu envolvimento no conflito da Guerra dos Cem Anos (1337-1453) e pela guerra civil inglesa, a Guerra das Duas Rosas (1455-1485), que lhe seguiu.

Quanto à França, no final do conflito com a Inglaterra, enfrenta um período de lutas no reinado de Luís XI (1461-1483).

Somente após estes conflitos externos e internos é que os ingleses (durante o reinado de Isabel I [1558-1603 ]) e franceses (durante o reinado de Francisco I), iniciaram a expansão marítima europeia .

Relativamente à Holanda, esta teve o seu processo de autonomização política atrasado por ser um território pertencente ao poder espanhol e somente com o enfraquecimento da Espanha e com o processo de sua independência é que os holandeses irão juntar-se aos demais países europeus no empreendimento da expansão europeia .

Dito isto, prossigamos com o elenco de principais descobertas e navegadores europeus:

A entrada de Inglaterra no movimento da expansão europeia

A exploração da Gronelândia por Martin Frobischer.

Walter Raleigh, que tentou fundar uma colónia na América do Norte.

Francis Drake, que fez a segunda viagem de circum-navegação após Fernão de Magalhães.

João Caboto, um italiano ao serviço de Inglaterra que chegou à Nova Escócia e à península de Labrador.

James Cook, que fez uma viagem de circum-navegação na qual explora a Oceânia e aporta a locais como a Austrália e a Nova Zelândia (séc. XVIII).

Expansão europeia James Cook

James Cook

A entrada da Holanda na expansão europeia

Em 1605, o capitão Willem Janszoon, rumou de Bantam à costa oeste da Nova Guiné, cruzou o extremo oriente do Mar de Arafura e um ano depois, desembarcou no Rio Pennefather (oeste do Cabo York), em Queensland, próximo à atual cidade de Weipa.

Janszoon mapeou 320 km da costa da Austrália; em 1615, Jacob Le Maire e Willem Schouten navegaram contornando o Cabo Horn; entre 1642 e 1644, o explorador holandês e comerciante a serviço da Companhia Holandesa das Índias Orientais (VOC).

Abel Tasman, executou viagem de circum-navegação à chamada Nova Holanda, provando que a Austrália era um continente.

Tasman e seu navegador Visscher, juntamente ao comerciante Gilsemans mapearam não só a Austrália, mas também as ilhas do Pacífico e da Nova Zelândia.

A entrada da França na expansão europeia

Foi durante o reinado de Henrique IV que se tentou estabelecer um império colonial nas Américas, em Sable Island (sudeste da Nova Escócia) mas sem sucesso.

Em 1605, é fundado Port Royal (Annapolis), igualmente na Nova Escócia, sendo considerado o primeiro assentamento colonial francês bem sucedido.

Seguiu-se a colonização do actual Québec; colonizaram a região de Acádia (Canadá), a região de Louisiana, a Guiana Francesa e as ilhas caribenhas de Martinica, Guadalupe e Haiti.

São de referir as viagens de Jacques Cartier no Canadá, onde explorou o Rio S. Lourenço em Montréal.

Toda esta agitação e movimentação de pessoas, bens, recursos, ideias e novidades, teve impacto na Europa, não só a Europa litoral, a das costas e mares, mas também a do interior, de serras e montanhas.
Delumeau, J. (1994) – A Ásia, A América e a Conjuntura Europeia. In A civilização do Renascimento I (P.49-72). Lisboa, Editorial Estampa.   

Artigo publicado no jornal A Pátria.

Pode ter interesse

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu