As fontes orais | como fazer uma entrevista de história oral?

Newsletter

As fontes orais requerem um processo de recolha e registo de informação através de entrevista.

«Uma entrevista de história oral é algo de muito fora do vulgar, porque estamos a criar um documento histórico naquele momento em que nos sentámos juntos. Não há documentos em papel que criem aquele mundo que estamos a criar naquele momento através das narrativas.»

Dra. Martha Norkunas

(Professora na Universidade Estatal de Middle Tennessee – MTSU, nas áreas de História Oral e História da Memória: http://w2.mtsu.edu/history/history_faculty_directory/Norkunas.php)


Imagem de capa: Tom Hale a entrevistar o griot Ayouba Tessa (1981, fotografia de Thomas A. Hale).

http://news.psu.edu/story/140694/2002/05/01/research/keepers-history

Texto: Yolanda Silva


Recolha de fontes orais | como fazer a entrevista?

fontes orais entrevista

Entrevista oral conduzida por historiador a um veterano americano da Guerra da Coreia.

http://www2.le.ac.uk/departments/history/outreach/besh/oral/intro

Historia oral fontes oraisA base da entrevista parte das notas resultantes do processo de pesquisa. Nestas, o historiador cria uma lista de tópicos, palavras-chave e frases que representam a informação que procura.

Escrever perguntas específicas pode não gerar a abertura esperada na resposta, dificultando a criação de perguntas de seguimento e impondo uma rotina rígida naquilo que se pretende que seja uma troca de ideias flexível e aberta.

Uma lista de tópicos é um excelente documento de apoio, mas é apenas um guia, como um mapa, que o historiador usa para dirigir a atenção do narrador no sentido dos assuntos sobre os quais tem maior interesse para o seu projecto.

As perguntas devem ser formuladas em torno das palavras-chave ou frases recolhidas de modo a encorajar o narrador a recordar o passado e, assim, contar uma história como resposta.

 

Se, por ventura, o narrador quiser saber de antemão o que pretendemos perguntar, podemos simplesmente falar sobre que assuntos pretendemos reflectir, fornecendo, até, uma lista de tópicos que poderá servir para estimular a memória do narrador e ganhar a sua confiança.

Quando o entrevistado fornece informação que não consta da lista de tópicos anteriormente criada, mas que pode ter interesse para a investigação, tome nota e faça as perguntas que considere relevantes no momento em que é mencionado.

Lembre-se que pode sempre voltar atrás no seu guião de tópicos.

O Certo e o Errado numa entrevista utilizando fontes orais

Cada entrevista é uma troca de ideias única. Cada entrevistado é igualmente um indivíduo único. Por isso, é sempre benéfico deixar o curso da associação de memórias de cada indivíduo fazer o seu próprio caminho, mesmo que isso signifique que está a fugir momentaneamente ao guião inicial que tinha planeado.

certo e errado numa entrevista de história oral

Como forma de garantir que está a cumprir com todas as tarefas necessárias ao correto tratamento das suas fontes orais, o historiador pode criar uma listagem de tudo aquilo que precisa de fazer e, de modo a organizar melhor o seu trabalho, criar a partir dessa mesma lista de tarefas um formulário de controlo.

Fontes orais | Entrevista | Formular perguntas


Acesso a transcrições de entrevistas realizadas pela Sociedade de Fernhurst, no Reino Unido (em inglês)


Curso online História Oral

O que dizem os participantes

História oral O que dizem do curso

Início imediato

3 Comentários. Leave new

  • I have read so many posts about the blogger lovers however this post is really a good piece of writing, keep it up

    Responder
  • I have read so many posts about the blogger lovers however this post is really a good piece of writing, keep it up

    Responder
  • Jobs-Site2022
    10/10/2022 18:22

    A experiencia que ja se vem obtendo ha cerca de quatro decadas nos estudos historiograficos revela que os que se dedicam a criacao de fontes orais podem situar-se em pelo menos quatro estereotipos (cf. Lozano 2005). O primeiro, ja aqui referido, a que se pode denominar que “colhem, ordenam, sistematizam e criticam o processo de producao da fonte oral. Analisam, interpretam e situam historicamente as evidencias orais. Complementam suas fontes orais com as outras fontes documentais tradicionais. Nao se limitam a um unico metodo e uma tecnica, mas as completam e as tornam mais complexas” (Lozano 2005: 24).

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu