Alfred Eisenstaedt e a imortalização de um beijo em Times Square

Newsletter

Neste artigo conheça Alfred Eisenstaedt , o fotógrafo deste beijo em Times Square que se tornou símbolo do fim da 2ª guerra mundial.

Porque afinal, até os piores pesadelos têm o seu fim.


Por: Yolanda Silva, autora do curso online História da Fotografia.


Times Square Alfred Eisenstaedt

Fonte da imagem: Wikipedia

Alfred Eisenstaedt | o despertar para a fotografia

Um dos fotógrafos mais famosos do século XX, tendo registado para a posteridade diversas lendas do mundo da política e do cinema, Alfred Eisenstaedt nasceu na antiga Prússia, mas viveu grande parte da sua infância e juventude na Alemanha.

O seu interesse na fotografia começou aos 14 anos, quando lhe foi oferecida a sua primeira câmara fotográfica – uma Eastman Kodak nº 3. Pouco depois, com 17 anos, foi recrutado para a Primeira Guerra Mundial, tendo que colocar o seu fascínio por esta arte em pausa. Regressado da Guerra com sérias mazelas, depois de uma explosão de granada lhe ter afectado ambas as pernas, voltou a dedicar-se à fotografia.

Em 1922, consegue um emprego como vendedor de botões e cintos, o que lhe permitiu financiar o investimento em equipamento fotográfico. Nesta altura, usava a sua própria casa de banho como câmara escura para revelar as suas fotografias.

Alfred Eisenstaedt | a fotografia como profissão

A primeira fotografia que conseguiu vender – “Der Weit Spiegel” – rendeu-lhe o equivalente a 12 dólares, valor que para a época era bastante atractivo, o que lhe fez pensar em prosseguir uma carreira na fotografia. “Der Weit Spiegel” ilustrava um momento em que a sua mulher jogava ténis, durante umas férias do casal na Checoslováquia.

A partir daqui, decidiu abandonar a actividade anterior de vendedor e dedicar-se inteiramente à fotografia. Em 1931, trabalhou como freelancer para a Pacific and Atlantic Press (que depois mudaria de nome para Associated Press) e, em 1933, é enviado para Itália para fotografar o encontro entre Hitler e Mussolini. Nesta época, Eisenstaedt trabalhava com uma revolucionária Leica de 35mm, que saiu no mercado poucos anos antes.

Alfred Eisenstaedt | a revista Life

Com a subida de Hitler ao poder, emigra para os EUA e estabelece-se em Nova Iorque, onde passa a fazer parte de um nome projecto que se tornaria na emblemática revista Life.

Em 1942, naturaliza-se norte-americano e viaja para vários pontos do mundo, com o fim de documentar os efeitos da Segunda Guerra Mundial. No Japão, mostrou os efeitos da bomba atómica e, na Coreia, registou a presença das tropas norte-americanas. Na Europa, fotografou a miséria e a pobreza vivida na Itália e, na Inglaterra, retratou Winston Churchill.

A carreira de Eisenstaedt foi pautada de numerosos retratos para a revista Life, em que representava celebridades e personalidades de relevo da sociedade, como Marlene Dietrich, Marilyn Monroe, JFK e Ernest Hemingway.


Pode ver 13 fotos inesquecíveis de Alfred Eisenstaedt para a Life nesta ligação para a Google Arts & Culture.


Alfred Eisenstaedt | o beijo em Times Square

Contudo, uma das suas mais famosas fotografias viria a ser “O Beijo em Times Square”. Publicada em 1945, este “Beijo” representa o momento em que um marinheiro norte-americano arranca um beijo a uma jovem enfermeira, em plena Times Square, em Nova Iorque, durante o anúncio da vitória e fim do conflito contra o Japão (durante a Segunda Guerra Mundial).

A identidade dos intervenientes é controversa, mas acredita-se que a mulher seja Edith Shain, falecida em 2010, e o marinheiro seja o ex-polícia Carl Muscarello, falecido em 2014.

Em 2005, a 11 de Agosto, volvidos exactamente 60 anos do momento imortalizado por Eisenstaedt foi instalada na mesma avenida nova-iorquina uma estátua que replica o famoso “Beijo”.

Alfred Eisenstaedt

Com 81 anos, Eisenstaedt regressou à Alemanha, onde participou de uma exposição sobre a vida na Alemanha nos anos 1930.

Galardoado várias vezes, este “Mestre da Fotografia” (título atribuído pelo próprio Internacional Center of Photography), continuou sempre a trabalhar até à sua morte, em 1995.


Yolanda Silva

Yolanda Silva

Tem formação em História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade do Porto). O seu percurso levou-a a trabalhar no Arquivo Histórico Municipal do Porto e no Museu do ISEP, no âmbito do inventário e conservação de coleções de Fotografia. Andou pelo mundo dos antiquários e pelo turismo, até que se tornou formadora, dedicando-se às áreas de História da Arte, Iconografia e Conservação de Fotografia. Trabalha atualmente no Departamento de Cultura da Câmara Municipal do Porto, no âmbito do Património. Tem diversos trabalhos escritos / publicados nas áreas da História da Arte, Iconografia e Conservação.

Aprenda mais sobre fotografia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu