o que foi o movimento iconoclasta e suas consequências a nível artístico

Neste artigo vamos ver o que foi o movimento iconoclasta e quais as suas consequências a nível artístico.

o que foi o movimento iconoclasta


Texto baseado nos cursos:

Iconografia dos Santos, autoria de Yolanda Silva e Guia de Tesouros Arquitetónicos I, autoria de Diana Ferreira.

Imagem de capa: Ícone bizantino de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, fonte: Wikimedia.


o que foi o movimento iconoclasta

O uso de ícones é prolífero no mundo Cristão. No entanto, a partir do século VI, surgiram algumas facções dentro da Igreja Cristã que condenavam o uso das representações iconográficas, acusando idolatria. Estes, apelidados de Iconoclastas (significado: Que ou quem se opõe ao culto das imagens in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa). Destruíram publicamente várias representações sagradas, defendendo que apenas se deveria utilizar o Crucifixo para o acto de veneração.

Então o que foi o movimento iconoclasta ? Designa-se por movimento iconoclasta o movimento político-religioso do império Bizantino contra a veneração de ícones, iniciado em 730 pelo imperador Leão III (r. 717-741) que proibiu a veneração de ícones.

Foram destruídas milhares de obras de arte. Com elas os melhores exemplares do apogeu da arte bizantina, causando também um forte obstáculo na criatividade e representações artísticas.

Infelizmente não temos muitos exemplares de mosaicos, frescos, esculturas, pinturas e livros ilustrados antes deste movimento.

Esta situação foi alterada em 787 pela Imperatriz Irene a favor da iconolatria (significado: culto prestado às imagens, in infopédia).

Após muito se debater o assunto entre as diferentes facções, no Concílio de Niceia, em 787, o uso de ícones e representações afins foi aprovado, como parte integral da tradição Cristã.

Para melhor se entender o que foi o movimento iconoclasta vamos ver a importância e fundamento dos ícones na religião cristã.

Os ícones no cristianismo

A presença de símbolos é comum a várias sociedades e religiões.

Derivada do Judaísmo, em que, tradicionalmente, se proíbem as representações iconográficas de Deus, a religião Cristã tornou possível a ideia de materializar a Divindade.

Isto acontece a partir do momento em que se divulga a ideia de encarnação de Deus na figura de Jesus Cristo.

A ideia de criar arquétipos dentro da religião passa a ser entendida como forma de prestar homenagem a determinada figura religiosa, através da sua materialização, elevando, assim, a sua importância, ao revés do pensamento anterior que ditava que não se deveria prestar veneração a um objecto, como seja a imagem de uma personagem religiosa.

A Contra Reforma

A questão da idolatria/iconoclastia surgirá de novo apenas na época da Contra Reforma, sendo que os Luteranos terão sido os que lutaram com maior veemência contra o uso destes ícones-retrato, mesmo aqueles de Cristo.

Os Católicos mantiveram e, até, intensificaram o uso da imagem religiosa. De certa maneira, a imagem era uma forma de transpor o mundo material e corpóreo, chegando ao imaterial e transcendente.

Pode ter interesse

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu