o que foi o movimento iconoclasta e suas consequências a nível artístico

Newsletter

Neste artigo vamos ver o que foi o movimento iconoclasta e quais as suas consequências a nível artístico.

o que foi o movimento iconoclasta


Texto baseado nos cursos:

Iconografia dos Santos, autoria de Yolanda Silva e Guia de Tesouros Arquitetónicos I, autoria de Diana Ferreira.

Imagem de capa: Ícone bizantino de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, fonte: Wikimedia.


o que foi o movimento iconoclasta

O uso de ícones é prolífero no mundo Cristão. No entanto, a partir do século VI, surgiram algumas facções dentro da Igreja Cristã que condenavam o uso das representações iconográficas, acusando idolatria. Estes, apelidados de Iconoclastas (significado: Que ou quem se opõe ao culto das imagens in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa). Destruíram publicamente várias representações sagradas, defendendo que apenas se deveria utilizar o Crucifixo para o acto de veneração.

Então o que foi o movimento iconoclasta ? Designa-se por movimento iconoclasta o movimento político-religioso do império Bizantino contra a veneração de ícones, iniciado em 730 pelo imperador Leão III (r. 717-741) que proibiu a veneração de ícones.

Foram destruídas milhares de obras de arte. Com elas os melhores exemplares do apogeu da arte bizantina, causando também um forte obstáculo na criatividade e representações artísticas.

Infelizmente não temos muitos exemplares de mosaicos, frescos, esculturas, pinturas e livros ilustrados antes deste movimento.

Esta situação foi alterada em 787 pela Imperatriz Irene a favor da iconolatria (significado: culto prestado às imagens, in infopédia).

Após muito se debater o assunto entre as diferentes facções, no Concílio de Niceia, em 787, o uso de ícones e representações afins foi aprovado, como parte integral da tradição Cristã.

Para melhor se entender o que foi o movimento iconoclasta vamos ver a importância e fundamento dos ícones na religião cristã.

Os ícones no cristianismo

A presença de símbolos é comum a várias sociedades e religiões.

Derivada do Judaísmo, em que, tradicionalmente, se proíbem as representações iconográficas de Deus, a religião Cristã tornou possível a ideia de materializar a Divindade.

Isto acontece a partir do momento em que se divulga a ideia de encarnação de Deus na figura de Jesus Cristo.

A ideia de criar arquétipos dentro da religião passa a ser entendida como forma de prestar homenagem a determinada figura religiosa, através da sua materialização, elevando, assim, a sua importância, ao revés do pensamento anterior que ditava que não se deveria prestar veneração a um objecto, como seja a imagem de uma personagem religiosa.

A Contra Reforma

A questão da idolatria/iconoclastia surgirá de novo apenas na época da Contra Reforma, sendo que os Luteranos terão sido os que lutaram com maior veemência contra o uso destes ícones-retrato, mesmo aqueles de Cristo.

Os Católicos mantiveram e, até, intensificaram o uso da imagem religiosa. De certa maneira, a imagem era uma forma de transpor o mundo material e corpóreo, chegando ao imaterial e transcendente.

Pode ter interesse

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu