o que é epigrafia? Comunicar no espaço e no tempo

este artigo iremos ver o que é epigrafia e porque esta ciência é tão importante na investigação histórica.

Iremos tentar responder à questões:

  • o que é epigrafia
  • que intenções nortearam a produção destes documentos inscritos em suportes duradouros
  • porque são uma fonte histórica tão importante

o que é epigrafia

A Epigrafia, enquanto Ciência, debruça-se sobre o estudo de documentos inscritos sobre suportes duradouros (pedra, metal, cerâmica, madeira), com uma intenção claramente definida de tornar pública uma determinada mensagem.

Homenagear um ou vários indivíduos, divulgar um dado acontecimento ou, tão-somente, prestar uma informação, por exemplo de cariz económico, são exemplos das intenções que nortearam a produção destes documentos, à primeira vista encriptados.

qual o objetivo dos documentos epigráficos

Comunicar no espaço e no tempo era o grande objetivo da prática de inscrever textos em suportes duradouros, que materializaram indelevelmente, no caso da Epigrafia Latina, um dos legados mais difundidos pelos romanos no seu processo de expansão territorial e aculturação nos territórios europeus, africanos e asiáticos – o latim como língua oficial e global.

comunicar no espaço

Comunicar no espaço porque a mensagem se transmitia ao coletivo, ao público.

A epígrafe permitia assim acrescentar a própria voz e estória do encomendante à História coletiva romana. No entanto, como referimos, os textos destes monumentos apresentam um certo grau de decifração, o que pode parecer paradoxal perante a intenção de comunicar unidireccionalmente com a audiência.

De facto, muitas vezes por questões de economia de espaço e esforço no ato de gravação, os textos foram reduzidos a epigramas, marcados por siglas e abreviaturas cujos significados, por serem do conhecimento geral, não impediam a leitura das mensagens pelos viandantes, desde que conhecedores da língua latina.

Por todo o Império, o “hábito epigráfico”, ou seja, o impulso cultural de produzir tituli ou inscrições, denunciava o grau de aculturação, de sentido de pertença das comunidades provinciais à cultura romana. A riqueza e densidade destas comunidades, o vigor económico e político, espelhava-se proporcionalmente nas paisagens epigráficas – nos contextos funerários, nos monumentos e marcos de homenagem – dos territórios europeus, africanos e asiáticos dominados por Roma.

comunicar no tempo

A intenção de comunicar no tempo era manifesta, pela eleição de um suporte duradouro para gravação do texto, que ficasse para a posteridade, para ser lido pelas gerações vindouras, de forma a perpetuar a memória de um indivíduo ou de um acontecimento.

A diversidade de inscrições romanas que, na atualidade, ainda persistem permite aos investigadores um manancial de informações que abrange sectores tão díspares como as relações sociais, a economia, a religião e a política romanas. Estes pedaços de História, originais, inscritos com certo grau de decifração, aspeto que lhes confere um fascínio acrescido, revelam-se fulcrais como complemento à análise da sociedade romana veiculada pela literatura clássica, cujas cópias se produziram aos longos dos séculos.

o que é epigrafia | as “pedras que falam”

De entre a panóplia de monumentos epigráficos, as “pedras que falam”, nas palavras do Professor José D’Encarnação, ou os documentos sobre suporte pétreo são os que mais denotam o poder da comunicação escrita na Antiguidade Clássica, como veículo de informação, propaganda e homenagem numa sociedade que, pela sua dispersão geográfica era pautada pela multiculturalidade, mas fortemente hierarquizada e estratificada.


Programa do curso Introdução à Epigrafia Latina

I – INTRODUÇÃO À CIÊNCIA EPIGRÁFICA LATINA

O que é epigrafia

Língua latina

Expansão do latim

Latim depois do império romano do ocidente

II – EPIGRAFIA NA ATUALIDADE DA DECIFRAÇÃO À INTERPRETAÇÃO E DIFUSÃO

Primeiros passos da EPIGRAFIA LATINA

EPIGRAFIA LATINA como ciência

Epigrafia latina no último quartel do século XX

Epigrafia Latina no dealbar do século XXI

Epigrafia na era digital

Futuro da epigrafia latina

III – VERBA VOLANT SCRIPTA MANENT – PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ATRAVÉS DA ESCRITA

Nome latino

Cursus honorum ou carreira de honras

Estatuto social

IV – A ANÁLISE DA EPÍGRAFE

Alfabeto epigráfico

Tipos de inscrições

Inscrições votivas

Inscrições fúnebres ou funerárias

Inscrições honoríficas

Inscrições monumentais

Miliários

Epigrafia jurídica

Casos especiais

V – DA TEORIA À PRÁTICA – ESTUDAR UMA INSCRIÇÃO

Editar UMA INSCRIÇÃO

Casos práticos


Recursos Pedagógicos

  • Lições
  • Fórum do curso
  • Conteúdos descarregáveis
    • Glossário da Epigrafia latina
    • Latim – Síntese gramatical
    • Tabelas e quadros de nomes e designações
    • Tabelas e quadros de componentes das inscrições
    • Tabelas e quadros de abreviaturas
    • Textos de apoio
    • Fichas epigráficas
  • Ligações para bases de dados e sites
  • Questionário de avaliação e de satisfação
Patricia Machado

Patrícia Machado

Licenciada em Arqueologia Exerceu funções enquanto arqueóloga em diversos trabalhos arqueológicos na região Norte de Portugal. Possui Certificado de Competências Pedagógicas desde 2016. Coordenadora do Centro Interpretativo de Tresminas e responsável pela dinamização do Complexo Mineiro Romano de Tresminas. Colabora com o Município de Vila Pouca de Aguiar no desenvolvimento da Candidatura do Complexo Mineiro Romano de Tresminas a Património da Humanidade.

Introdução à Epigrafia Latina

No curso de epigrafia latina vai adquirir um conjunto de ferramentas para a compreensão e interpretação das mensagens que, na Antiguidade Clássica, os romanos insculpiram em materiais duros para que resistissem à passagem do tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu