O Aguadeiro de Sevilha – Um enigmático personagem de Diego Velazquez

O aguadeiro de Sevilha é uma das mais enigmáticas pinturas de Velazquez, podemos perguntar: o que representa?

o aguadeiro de sevilha

Texto de Claudia Maldonado, autora do curso Vida y Obra de Diego Velazquez

Fonte da imagem: Wikimedia

De 1620. Encontra-se no Museu Wellington de Londres. Esta pintura é mencionada pela primeira vez no inventário de Juan de Fonseca y Figueroa, cônego da Catedral de Sevilha.

É a única cena de pintura de género do pintor em formato vertical, e é uma das mais enigmáticas, podemos perguntar: o que representa? Teoricamente uma cena de rua em que há um personagem que pousa a mão sobre uma grande bilha de água e oferece um copo d’água a um jovem de rosto incerto.

O aguadeiro de Sevilha

Era um trabalho muito modesto na época, os aguadeiros vendiam copos de água por alguns centavos. Então, poderíamos dizer que realmente é uma cena quotidiana? Uma cena de rua? O que há de surpreendente nesta cena, nesta profissão, se é tão humilde, modesto e pobre?

O copo

O copo, totalmente impróprio para andar pela rua oferecendo água. O vidro na época não continha chumbo, era muito mais leve.

copo - o aguadeiro de sevilha

O aguadeiro de Sevilha – detalhe

 

Então podemos pensar, por que Velazquez colocou um copo de vidro na cena?

Poderíamos dizer que Velázquez gostava de pintar vidros, por causa da luminosidade que geram.

A interpretação

No interior do copo existe uma espécie de figo, o que deu uma interpretação relativamente aos três personagens, um mais velho, aquele que dá o copo, uma criança, e atrás, aquele que observa, na idade adulta. Isso nos diria que Velazquez brinca com as idades, seria uma alegoria da iniciação à vida adulta pela criança, além de ter um caráter sexual, dada a relação do figo com o sexo feminino.

Mas na realidade, sabemos que pode não ser o caso, pois temos conservados vestígios de vidros que têm no seu interior uma forma semelhante a um figo de vidro preto que servia para decorar, mas os que chegaram até nós são muito posteriores, por isso estas interpretações são muito inseguras.

A hipótese mais sustentada é que não haveria nenhuma intenção: não haverá metáfora, é apenas uma cena, na qual é incorporado um copo de vidro porque Velázquez gosta de brincar com este elemento.

Os dois planos na pintura O aguadeiro de Sevilha

Vemos claramente que neste trabalho temos mais nitidez no primeiro plano, é mais claro que a parte de trás, mais esbatida, possivelmente porque o artista quer concentrar a ação dramática nos personagens do primeiro plano, não deseja dar destaque ao que está em segundo plano.

Mas, se acreditamos nisso, ficamos mais uma vez desconcertados com os olhares, já que o mais novo não olha para a forma como o copo é servido, nem para quem o serve.

o aguadeiro de Sevilha rostos

 

A descrição de Antonio Palomino

Quando Antonio Palomino (pintor do final do século XVII – meados do século XVIII) descreve esta pintura, fala de um personagem com roupas rasgadas e isso engana-nos porque este aguadeiro não está “vestido de trapos”. Os “buracos” que vemos no personagem são um tipo de costura muito comum no século 16, são mangas cortadas, que até eram usadas pelas classes mais abastadas, não têm relação com a pobreza.

o aguadeiro de Sevilha detalhe

Porque, então, para Palomino, no século XVII, ele parecia ser pobre? Porque na sua época esta moda já havia, e ele interpreta que as roupas estão rasgadas porque estão velhas.

Não se trata, pois, de uma pintura alegórica, embora tenha sido protagonista de muitas interpretações e muitas hipóteses.

Aprenda mais sobre história da arte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu