Porque é que no Partenon não é possível encontrar linhas retas?

O Partenon

Um edifício inacabado na Acrópole de Atenas, iniciado por volta do ano 520 a.C. sob o governo de Pisistrátidas Hípias e Hiparco, foi arrasado pelo rei persa Xerxes nas Guerras Médicas no século V a.C.. Quando finalmente os persas se retiraram em 480 a.C., apesar de derrotados, deixaram a acrópole completamente destruída e assim permaneceu por trinta e três anos. Foi necessário aguardar a chegada de Péricles ao governo e a sua iniciativa de reconstrução em 447 a.C. para iniciarem as obras do Partenon sobre os seus vestígios, mantendo vários dos seus aspetos.


Autora: Diana Ferreira

Curso online: Guia de tesouros Arquitetónicos I


1 Fachada este do Partenon com capitéis dóricos e parte do tímpano com a representação do nascimento de Atenaweb

O novo templo foi dedicado a Atena, a divindade da guerra justa e protetora da cidade, que os ajudara a vencer os persas, numa altura em que Atenas transbordava orgulho e confiança. Foi utilizado o tesouro dos aliados para a sua construção, destinado inicialmente à guerra contra os persas.

Sabia que a origem de Atenas está ligada a uma disputa entre deuses?

A construção do Partenon

Sob encomenda de Péricles, a sua edificação iniciou a 447 a.C. e demorou quinze anos (dez de construção e cinco de decoração), na qual participaram muitos trabalhadores sob o projeto de Ictinos, a execução de Calícrates e a supervisão do escultor Fídias.

O conjunto final constitui o maior templo dórico da Grécia, erigido durante o apogeu da cidade, representando o clímax do estilo. É o mais conhecido e perfeito dos edifícios clássicos helenos e ainda hoje encanta pela sua majestade triunfante no topo da cidade, pela perfeição das suas linhas e harmonia das proporções. Foi o resultado de vários cálculos matemáticos e regras arquitetónicas que o levaram à competição para uma das Maravilhas do Mundo Atuais.

O seu nome deriva da monumental estátua que abrigava de Atena Partenos, realizada por Fídias. Com 13 metros de altura, feita em ouro e marfim, e assente sobre um pedestal ornado com baixos-relevos, foi mais cara que a totalidade do edifício. Em 426 foi levada para Constantinopla, onde desapareceu, provavelmente durante o saque da cidade na 4ª Cruzada em 1204. Perdida, restam-nos apenas pequenas reproduções que nos relatam a sua aparência.

Porque é que no Partenon não é possível encontrar linhas retas?

Para o templo parecer simétrico e leve, não é possível encontrar linhas retas.

Recorreram à “êntase” – leve abaulado voluntário da parte central do fuste  –, arquearam as linhas horizontais e inclinaram ligeiramente as colunas exteriores para o interior, que hoje, devido à ausência de partes do edifício, tornam-se difíceis de confirmar visualmente. Tal façanha requer um extraordinário domínio matemático e na arte de construir. A preocupação do pormenor e dos cálculos matemáticos talvez nunca tenha sido levada tão a sério como no Partenon.

Com a procura da harmonia visual e das correções óticas, produto do trabalho desempenhado pelo arquiteto grego jónico Ictinos, provou ser um verdadeiro mestre da perspetiva, assim como os cálculos aprofundados que desenvolveu de modo a agradar o olho humano de um ponto de vista inferior.

Conheça a página oficial.


[siteorigin_widget class=”Thim_Courses_Widget”][/siteorigin_widget]

Programa do curso Tesouros arquitetónicos I | Da Antiguidade Egípcia à arquitetura Bizantina

0.  Panorama arquitetónico
1.  A Grande Pirâmide de Gizé
  • A arquitetura dos faraós
  • A importância do rio Nilo
  • A evolução da construção funerária
  • Os artesãos
  • A Grande Pirâmide de Gizé – Gizé
  • Localização
  • Função
  • Mistérios
  • Mão-de-obra
  • Interior
  • Esfinge
2.  O Templo de Amon
  • Os templos egípcios
  • Planta
  • Decoração
  • O Templo de Amon – Karnak
  • História
  • Planta
  • Centro religioso do império
3.  O Partenon
  • A arquitetura grega
  • Os deuses
  • O Partenon – Atenas
  • História
  • Planta
  • Êntase
  • Decoração
  • Funções
4.  O Coliseu
  • A arquitetura do grande império romano
  • Influências
  • Objetivo
  • O Coliseu – Roma
  • História
  • Planta
  • Função
  • Organização
  • Jaulas
5.  A Basílica de Santa Sofia
  • A arquitetura bizantina
  • Divisão do império romano
  • Cristianismo
  • Mosaicos dourados
  • A Basílica de Santa Sofia – Istambul
  • História
  • Interior
[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Button_Widget”][/siteorigin_widget]
[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Cta_Widget”][/siteorigin_widget]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu