Mini glossário de termos de arquitetura

Newsletter

Este glossário de termos de arquitetura é um excerto do curso Guia de Tesouros arquitetónicos III – do Renascimento ao Rococó.

No mini glossário de termos de arquitetura encontre alguns termos e elementos arquitetónicos utilizados em história da arquitetura.

Acompanhado por um vídeo explicativo com ilustrações dos termos de arquitetura .


Glossário de termos de arquitetura

(Fonte: FERREIRA, Diana – Guia dos Tesouros Arquitetónicos. Lisboa, Chiado Editora, 2014.)

 Conheça aqui alguns dos termos de arquitetura utilizados em história da arquitetura.

Abóbada – cobertura arqueada por meio de pedras ou tijolos entre duas paredes laterais.

Adossado – (ou embebido) elemento unido a uma parede.

Arco – ligação curva entre dois apoios verticais. O arco de volta perfeita é redondo em semi-circulo.  O arco quebrado é pontiagudo no vértice. O arco cego é adossado.

Balaustrada – parapeito formado pelo ritmo de várias colunas de pequena dimensão, utilizada nos balcões, varandas e tetos. Corrimão.

Cartela – peça de cantaria oval com os seus lados enrolados.

Cimalha – parte superior do entablamento. Espécie de cornija.

Coluna – suporte construtivo cilíndrico vertical, frequentemente mais fino no topo. Geralmente é constituído por uma base onde assenta, por um fuste canelado e rematado por um capitel. Pode ser monolítico ou constituído por vários tambores. A coluna torsa possui um fuste em forma de espiral (muito utilizado no Barroco). A coluna salomónica tem um fuste em forma de espiral com o terço inferior estriado ou diferente, típico no Barroco.

Colunata – série de colunas ligadas sem arcos.

Contraforte – reforço vertical saliente exterior, adossado à parede e que sustenta as forças laterais da abóbada.

Cornija – 1. Remate horizontal saliente da fachada de um edifício. 2. Espécie de moldura presente nos templos clássicos que faz parte do entablamento e limita o tímpano.

Cruz – latina, planta basilical ou imissa: cruz com o tronco vertical inferior maior; grega: com os quatro braços iguais; e cruz comissa: em forma de T.

Cruzeiro – ponto de encontro da nave com o transepto da igreja.

Cúpula – cobertura hemisférica que exige uma parede circular ou tambor.

Estuque – argamassa moldável composta por gesso, areia e cal, para aplicar em ornamentos decorativos de interior.

Friso – barra horizontal decorativa entre a arquitrave e a cornija.

Frontão – superfície triangular ou semi-circular onde se insere o tímpano, que remata paredes e aberturas.

Lanternim – remate do zimbório com várias aberturas que iluminam o espaço interior. Também chamada lanterna.

Loggia – [it.], galeria de arcadas aberta para o exterior, muito usadas no Renascimento.

Luneta – espaço em semi-círculo ou círculo sobre uma porta ou janela, normalmente com um elemento decorativo.

Mainel – ou parte-luz, suporte vertical que divide um vão.

Mausoléu – monumento fúnebre de grandes dimensões.

Nártex – pórtico aberto na entrada de uma igreja, reservado aos catecúmenos e penitentes.

Nave – espaço longitudinal de uma igreja, delimitado por colunas ou pilares, destinado aos fiéis.

Nicho – reentrância na parede para uma estátua ou elemento decorativo.

Pilastra – pilar retangular de pouca espessura adossado à parede.

Púlpito – tribuna acedida por uma escada e adossada a um pilar, na nave central, para os sacerdotes pregarem.

Putto – [it.], pequena criança rechonchuda despida, por vezes aladas (muito comum no barroco).

Tambor – cilindros de pedra que constituem o fuste das colunas. Base cilíndrica ou poligonal de uma cúpula, frequentemente com janelas para iluminar.

Tessela – pequeno pedaço de pedra vidrada ou mármore usada nos mosaicos.

Tondo – [it.], decoração circular pintada ou esculpida, utilizado particularmente no Renascimento.

Transepto – corpo transversal que atravessa o longitudinal duma planta em cruz.

Trompe-l’œil – (fr., ilusão ótica) pintura ilusória da realidade, através de um efeito ótico tridimensional, conseguido com o domínio da perspetiva, aplicado numa superfície. O seu objetivo é enganar o espectador ao reproduzir a ilusão de um objeto físico na pintura. Conhece-se desde a Antiguidade.

Voluta – ornamento e elemento de construção em forma de espiral ou caracol, que serve de transição entre secções horizontais e verticais. Utilizado no capitel jónico.

Zimbório – cobertura de um edifício, geralmente sobre a cúpula do cruzeiro das igrejas, que constitui o principal meio de iluminação do espaço interior.

Pode ter interesse nos cursos online

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu