A originalidade da Legenda aurea – pensar o tempo

Saint Remy et Clovis Legenda aurea

Edição do século XIV da Legenda Áurea mostrando São Remígio e Clóvis I. Fonte Wikimedia

Datada do último terço do século XIII, a Legenda aurea ou Legenda sanctorium foi a segunda obra em popularidade da Idade Média, sendo ultrapassada somente pela Bíblia em alcance.


Imagem de capaEdição do século XIV da Legenda Áurea mostrando São Remígio e Clóvis I (detalhe)


A Legenda aurea ou Legenda sanctorum

Datada do último terço do século XIII, a Legenda aurea foi a segunda obra em popularidade da Idade Média, sendo ultrapassada somente pela Bíblia em alcance.

O seu diferencial em relação a maior parte das obras do período medieval, que em geral se destinavam a um público de clérigos e a um escasso grupo de leigos instruídos, sendo então redigidas apenas em latim, é que a Legenda aurea foi rapidamente traduzida para as línguas vernaculares, não sem prejuízo ao texto nas várias traduções que sofreu.

Foi posta em circulação em um período chave da história da escrita, tempo em que as línguas vulgares começaram a concorrer com o latim. Havia um crescente número de leigos a se tornar capaz de ler, chegando-se ao fim da leitura em voz alta, pratica corrente na alta Idade média. O leitor se tornou independente e a leitura se tornou acessível a um público maior. Desta forma a Legenda aurea se beneficiou de circunstâncias históricas excepcionais.

Tiago de Varazze

Seu autor Tiago de Varazze, nascido em Gênova em 1228.

Ingressa como noviço no convento dominicano de Gênova em 1244. Era um homem da igreja, acima de tudo um pregador ambulante muito viajado pela Europa Cristã e espaço Mediterrâneo, acreditava na palavra e no texto como caminhos para a salvação. Seguiu fielmente à sua ordem religiosa e ao seu fundador, Domingos Gusmão.

Foi nomeado arcebispo de Gênova em 1292 pelo Papa Nicolau IV. Faleceu em 1298 e atingiu a beatificação em 1816, a pedido dos genoveses, por graça do Papa PioVII.

O que é a Legenda aurea

A Legenda aurea atinge grande sucesso durante mais de três séculos, porém a partir de meados do século XVII até o

BRESANÇON, Jacques. 1480 Tiago de Varazze a pregar.

BRESANÇON, Jacques. 1480 Tiago de Varazze a pregar.

início do século XX ela praticamente desaparece. Em grande parte, isto se deve ao fato desta obra ser essencialmente uma série de vidas de santos, sendo classificada pelos especialistas como literatura hagiográfica.

Ora, os grandes especialistas modernos nos santos, os bolandistas, instituição jesuíta, que assumiu a missão de dar aos santos uma apresentação científica e livre das fantasias da credulidade medieval, deram um julgamento desfavorável e negativo a Legenda aurea jogando a em quase três séculos de obscuridade.

Compilação

Para bem medir o sentido e o alcance da obra de Tiago de Varazze é preciso primeiramente abandonar a prejudicial noção de que a Legenda aurea é uma compilação, termo que carrega desde o século XVIII uma conotação pejorativa, algo tão depreciativo quanto “plágio”.

Este termo não carregava tal negativa visão, muito pelo contrário, na Idade Média compilações eram amplamente Iconografia dos Santosdifundidas e tinham um valor positivo.

Livro de lendas

Um segundo ponto a ser tratado é a categorização desta obra como livro de lendas. Classificá-la como tal é bastante limitado.

Pensar o tempo | a originalidade da Legenda aurea

Para muito além de uma compilação, ou um livro de lendas, a Legenda aurea tem em seu cerne a exposição da liturgia cristã enquadrada pela visão da ordem dominicana.

Sua originalidade vem de pensar o tempo, essa grande questão de todas as civilizações e religiões.

Dentro dela se encontram:

O tempo da liturgia que se repete ciclicamente.

O tempo marcado pela vida dos santos, que é um tempo curto e linear, o percurso de uma vida admirável que atinge a iluminação.

E o “macro” tempo, caminhado pela humanidade para o juízo final.

Por fim, compreendemos que o objetivo ultrapassa a simples compilação hagiográfica, para sacralizar o tempo da vida humana, para levar a humanidade à salvação.

Apoiando-se nisto Tiago de Varazze faz de seu manuscrito um encanto ao sagrado e a humanidade.


Bibliografia

LE GOFF, Jacques. 2014 Em busca do tempo sagrado: Tiago de Varazze e a Lenda Dourada

DELEHAYE, Hippolyte. 1959.O trabalho dos bolandistas através de três séculos.

tradução em inglês o texto, Fordham University.

Marina Barros Cabral

Marina Barros Cabral

Licenciada em Artes Cênica com habilitação em Indumentária pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro e licenciada em ensino de artes visuais pela UNILAGOS. Atuou como educadora artística bilíngue no ensino básico e como compradora de moda. Atualmente cursando Mestrado em História da Arte, Património e cultura visual na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Apaixonada por Artes Visuais, História da arte, filosofia, cultura, estética, património, curadoria e restauro.

Área de concentração Arte medieval e renascentista. Colabora com a Citaliarestauro.com, nas áreas de História da Arte e Estudos Medievais.

Da autora

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu