O CINEMA COMPLETA 122 ANOS

Newsletter

Autor: Davi Galhardo

Filósofo e crítico de cinema

Fiat Lux! O Cinema completa 122 anos

No dia 28 de dezembro de 1895 vinha à luz uma das invenções que mais revolucionariam a história recente da humanidade: o cinematógrafo. De fato, quando os irmãos Auguste Marie Lumière (1862-1954) e Louis Nicholas Lumière (1864-1948) exibiram suas primeiras películas, realizando aquilo que se considera até hoje como o nascimento de uma sétima arte, consequentemente, e sem o saber, pois, consideravam tal invenção como algo “efêmero”, os irmãos Lumière criavam uma poderosa maneira de ver, dominar e recriar o(s) mundo(s).

Destarte, podemos dizer que a partir daquele momento, definitivamente, o real nunca mais seria o mesmo (1).

Contudo, é evidente que na época moderna outras formas de expressão artística, como a fotografia, também foram radicalmente inovadoras. Afinal, a mera possibilidade de se fixar imagens, sobretudo de seres humanos, de forma instantânea em um papel era distanciada pela sociedade civil, tal como o diabo é obrigado a fugir da cruz, e, foi somente em 3 de julho de 1839, quando o renomado físico François Arago (1786-1853) defendera a descoberta de Louis Jacques Mandé Daguerre (1787-1851) na Câmara dos Deputados de Paris que a situação começou a se modificar (2).

“Mas as dificuldades que a fotografia oferecia à estética tradicional eram brincadeira de criança diante daquelas que o cinema apresentaria” (3), pois, o cinema insere-se, de fio a pavio, no rol de artes passíveis de uma reprodução técnica, ou seja, em larga escala, visando assim um sem-número de pessoas, de forma massiva, e, que dispensa o valor de culto – a auréola, como já dizia Charles Baudelaire (1821-1867) em As flores do mal em 1857 – do objeto original.

No cinema é o princípio da montagem que se destaca, pois, é graças aos laboratórios de pós-produção que se torna possível ensinar Donald Trump (1946-) a “falar em russo”, enquanto o Tio Sam aprende a tocar pandeiro com as integrantes do Pussy Riot. De outra forma, “sabe o que é o melhor do cinema? é que no cinema tu pode fazer o que tu quer!”, diz o tresloucado personagem Everardo de Baixio das bestas (2006), ilustrando perfeitamente que no cinema é possível brincar de Deus (4).

Em suma, a partir da criação da arte cinematográfica se fez possível brincar e/ou dominar os desejos e necessidades humanas, ou seja, expor e/ou impor diversas ideologias, visões de mundo, weltanschauung, evidentemente, servindo aos mais distintos interesses ao longo de toda a história do mundo moderno, de Hitler à Mickey Mouse. D’a viagem à lua de Georges Méliès (1861-1938), passando pelo Gabinete do Doutor Caligari, a bordo do Encouraçado Potemkin, com o Cão de Andaluz, para ver as Luzes da Cidade de Chaplin (5) brilharem em La La Land etc., o que se constata é uma arte em constante metamorfose criativa.

É bem verdade que a sua morte já fora decretada algumas vezes por distintas vanguardas e cineastas, mas, no frigir dos ovos, seu coração de 122 anos, ainda insiste em bater.

 

REFERÊNCIAS:

 

(1) RIBEIRO, Milton. O dia em que os irmãos Lumière apresentaram o cinema ao mundo. 2013. Disponível em: < https://www.sul21.com.br/jornal/o-dia-em-que-os-irmaos-lumiere-apresentaram-o-cinema-ao-mundo/ >. Acesso em: 27 dez. 2017.

 

(2)  BENJAMIN, Walter. Pequena história da fotografia. In: ______. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 92.

 

(3)  BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre: Editora Zouk, 2014. p. 55.

 

(4) ASSIS, Claudio. Baixio das bestas (trailer). 2006.

 

(5) DEBORD, Guy. OEuvres. Paris: Gallimard, 2006. p. 61.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu