3 níveis de leitura da arte | A iconografia como disciplina

Newsletter

Erwin Panofsky (1892-1968) elevará a iconografia a área de estudo através da definição de 3 níveis de leitura da arte.

Artigo de Yolanda Silva, autora de cursos na área de Análise de Arte | Iconografia.

Inclui um vídeo explicativo.

A utilização de símbolos na arte

O uso de símbolos para comunicar remonta ao início da comunicação em si.

Como expressão artística, o uso de ícones na expressão artística remonta a 3000 a.C., ao Médio Oriente. Aqui, as civilizações neolíticas existentes, como a Egípcia, usavam figuras de formato animalista para fazer representar os seus deuses.

Por exemplo: Hathor é uma mulher cuja cabeça é a de uma vaca e Hórus pode ser representado com cabeça de falcão.

leitura da arte Hórus

O deus egípcio Hórus, no Templo de Edfu.

http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Edfu_Tempel_09.jpg

Na Antiguidade clássica

Do outro lado do Mediterrâneo, na antiga Grécia, podemos identificar, por exemplo, Zeus acompanhado de uma águia ou de um relâmpago, Apolo com uma lira e Diana, sendo a caçadora, traz consigo arco e flecha.

Os deuses gregos eram, assim, representados com determinados objectos ou atributos que os identificavam.Area iconografia

Na Antiga Roma, o uso de alegorias será mais desenvolvido ainda, podendo uma mulher rodeada de flores poder significar a Primavera.

Pode ficar a conhecer estes símbolos, atributos e representações no curso online Mitologia Greco Romana.

Cristianismo

O uso de símbolos foi importante nos primeiros anos do Cristianismo. De facto, ainda o Império Romano venerava deuses pagãos e já os Cristãos, para fugir às perseguições, faziam figurar a sua fé por meio de símbolos mais ou menos evidentes. É desta maneira que a pomba ou o peixe representam o Espírito Santo ou Jesus Cristo.

A tendência implantou-se rapidamente e o número de símbolos entrou em crescendo. Desta forma, na arte cristã mais tardia, temos uma maior quantidade de representações iconográficas.

Será a par desta tendência que se apurarão, também, os atributos dos Santos. Do mesmo modo como as divindades greco-romanas são identificadas através de determinados objectos relevantes da sua função ou história de vida, também os santos assim serão identificados.

Pode saber mais sobre símbolos e atributos dos Santos no curso online Iconografia dos Santos.

A partir da Renascença

Iconografia Memento MoriA pintura alegórica tornou-se mais popular durante o período da Renascença e através do século XVIII. Os artistas imaginavam complexas composições cheias de simbolismo, representando, por exemplo, o tema da vaidade humana, popular na época Barroca. Jóias, moedas de outro ou instrumentos musicais significariam os prazeres mundanos, enquanto crânios, velas apagadas ou ampulhetas recordariam o espectador que a morte é iminente (Memento Mori).

 

Memento Mori. Óleo sobre tela de Vincent Laurensz van der Vinne (séc. XVII).

http://necspenecmetu.tumblr.com/page/317

 

 

 

A Iconografia como disciplina de estudo

É Aby Warburg quem, no século XIX, assume a defesa da iconografia como corrente de estudo. Warburg dizia que a história das imagens fala-nos da função geral das imagens, na medida em que é simultaneamente um meio de expressão de necessidades e expectativas e uma forma de comunicação religiosa e política.

É no sentido de desenvolver a ideia da importância do estudo das obras de arte em todos os seus detalhes, que funda o Instituto Warburg, em Hamburgo (Alemanha).

3 níveis de leitura da arte

No entanto, será o seu discípulo Erwin Panofsky (1892-1968) elevará a iconografia a área de estudo propriamente dita, orientando-se para a definição da Iconologia.

Em 1939, no seu ensaio Estudos em Iconologia, Panofsky, tal como Warburg antes o fizera, fala de uma leitura que deverá ir para além do estudo descritivo e formalista da obra.

Ou seja, Panofsky sugere que, perante uma qualquer representação artística, nós devemos não apenas perguntar «O quê?», mas também «Por quê?».

E a sua análise d’O Casamento dos Arnolfini, de Jan Van Eyck, de 1935, será o primeiro estudo que faz dentro da temática da simbologia e iconografia de obras de arte.

Casamento dos arnolfiniPanofsky dizia que aquilo que, à partida, poderia parecer um retrato confuso e desorganizado, estava, na realidade, a transmitir uma mensagem muito clara: era a representação de um contrato de casamento.

Simbolizado através da presença de diversos elementos cuja simbologia oculta apontavam para o sacramento do casamento (como o cão, a sandália, o leito nupcial, o espelho, a própria assinatura do pintor, que afirma que «…esteve aqui», como se tivesse testemunhado um evento de importância) e o significado que poderiam assumir no contexto em que a obra foi produzida.

 

O Casamento dos Arnolfini, de Jan Van Eyck

 

 

 

 

E detalha, assim, a sua ideia de uma análise através de três níveis de «leitura»

Panofsky, defendendo a necessidade de conhecer os costumes e hábitos diários específicos da época, do local e, até, dos intervenientes da produção em questão, afirma que é possível «melhorar» a possível leitura que se faça de uma qualquer obra.

Tornar a análise mais precisa e directa. Porque há uma razão pela qual o autor incluiu aquele símbolo, há que fazer um trabalho de análise contextualizado.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Newsletter

Menu