LIÇÃO 1 – Boas práticas | Introdução

Prevenir pressupõe um trabalho de previsão e avaliação dos riscos que podem afetar os nossos objetos de arte. Prevenir permite-nos, também, definir mecanismos que possam dar uma resposta imediata quando ocorrerem situações de risco, evitando assim a perda ou danos nos bens culturais.

Feita a abordagem básica aos diferentes conceitos que envolvem a conservação, é, agora, altura de iniciarmos uma abordagem mais aprofundada sobre determinadas matérias, sem perder a noção de que as orientações, por muito básicas que possam ser, servem para garantir a preservação de obras no presente e no futuro e para evitar intervenções de restauro. Se é importante perceber a razão pela qual é relevante a existência de orientações no âmbito da preservação de obras artísticas que possibilitem a prevenção de riscos vários como roubo, vandalismo, acidentes ou degradação, é também fundamental conhecer as ameaças que afectam, ou podem afectar, as colecções e o edifício que as abriga, providenciar medidas de conservação e segurança e avaliar riscos que reduzam ou evitem a deterioração da colecção.

Assim sendo, de modo esquemático, vejamos:

Pontos chave para um plano de conservação preventiva

 

Que vantagens há na adopção de uma política de Conservação Preventiva: