LIÇÃO 5 – MANUSEAMENTO E SISTEMAS DE ACONDICIONAMENTO | SISTEMAS DE ACONDICIONAMENTO

Quando contemplamos o armazenamento das fotografias, há dois aspectos principais que devemos ter em conta:

os materiais e equipamentos e

local e respectiva climatização.

Sobre esta última, já falamos na Lição anterior, e também já abordamos alguns dos equipamentos a usar (os instrumentos medidores).

Vamos falar um pouco sobre os sistemas de acondicionamento, ou seja, os materiais de contacto direto (aqueles que usamos na construção das embalagens) e o mobiliário (onde as provas são depositadas, depois de organizadas nas suas respectivas embalagens).

Papéis e caixas de arquivo, em papel livre de ácido

https://www.tsl.texas.gov/arc/preserve/photo.html

 

Materiais de contacto direto

O material mais apropriado ao acondicionamento das fotografias são o papel e o cartão livre de ácido. Isto significa, em teoria, que o papel ou o cartão tem um valor de pH de 7.0 ou um pouco mais elevado. Este papel é produzido com precauções especiais durante o processo de feitura, que eliminam a acção de qualquer ácido que esteja presente, usando fibras de algodão, trapo, pasta de madeira purificada.

Vídeo da construção de uma caixa de arquivo, do Instituto Smithsonian (EUA)

 

 

Quando estamos perante a escolha do papel para tratar uma Coleção, devemos ter em conta determinados aspetos:

– A matéria-prima usada deve ser trapo, algodão ou pasta de madeira purificada.

– O ideal é usar um papel com pH neutro (7.0), podendo ser ligeiramente alcalino (estes níveis estão claramente indicados na embalagem do papel ou no catálogo). Existe também o papel com reserva alcalina (pH ente 7.5 e 8.5), usualmente de carbonato de cálcio, que é dito retardar os efeitos da acidez.

– Verifique se o papel possui ou não a reserva alcalina e se contém lenhina (o fabricante deve referir estes aspectos).

–  O papel deve ser branco, ou apenas levemente colorido, para evitar a contaminação das espécies.

– O papel deve, ainda, ser macio, de superfície lisa ou apenas levemente texturada (evita deixar o seu relevo gravado na superfície da fotografia que está a acondicionar).

Símbolo indicador de produto de livre de ácido, encontrado em papéis e cartões

http://en.wikipedia.org/wiki/Acid-free_paper#/media/File:Acid-free_paper_(symbol).svg

 

Existem, também embalagens de plástico para o acondicionamento das espécies fotográficas.

A escolha entre as embalagens de papel ou as de plástico deve ser feita com consciência das necessidades e fragilidades da Colecção, assim como as condições da instituição ou proprietário da Colecção (condições ambientais, financeiras, etc.).

No quadro seguinte, estabelecemos uma comparação entre as vantagens e desvantagens de uma e de outra escolha.

 

Convém referir, ainda, que é importante que todas as espécies fotográficas tenham um segundo acondicionamento. Além da embalagem individual, as fotografias devem estar contidas, por exemplo, numa caixa Phase, dossier ou álbum. Estes providenciarão um segundo nível de protecção e têm a vantagem de ajudar na organização das provas.

O Mobiliário de armazenamento (ou de instalação)

(……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..)

Para finalizar, deixamos um documento em anexo que descreve como se constroem os envelopes de 4 abas, a embalagem primária mais simples e mais recomendada para as provas fotográficas. E podem, também, espreitar um vídeo da Universidade de Uppsala (Suécia) que mostra como construir as caixas Phase, onde se pode acondicionar, por exemplo um álbum.

Veja o Anexo: Construção de embalagens básicas

Vídeo – Construção de Envelopes de 4 abas

 

Programa do curso conservação preventiva de fotografias